quinta-feira, 31 de março de 2016

O Corpo Astral, Planos Astrais e Projeção Astral


Eu e este mistério aqui estamos, de pé.
Clara e doce é minha alma, e claro e doce é tudo aquilo que não é minha alma.
Faltando um falta o outro, e o invisível é provado pelo visível.
Até que este se torne invisível e receba a prova por sua vez.

Definição: O corpo astral é um dos vários corpos etéreos que os humanos possuem afora o corpo físico. O corpo astral é o corpo que manifesta uma aura e, pelo que dizem, pode transcender os grilhões de nosso eu físico.

Os planos astrais são universos ou níveis de existência acima, abaixo e/ou paralelos à realidade corporal terrena.

A projeção astral, também conhecida como experiência extracorporal (OBE, na sigla em inglês), é o ato ou processo de separação do corpo astral do corpo físico e a viagem para outros lugares da Terra e/ou para outros planos de existência.

O que os crentes dizem: Dentro de nosso corpo físico existe uma energia corporal invisível conhecida como corpo astral. Dentro do corpo astral reside nossa energia vital, e este corpo é uma parte ou parcela da totalidade de nosso eu individual. Se o corpo físico se machuca ou enfraquece (devido a drogas, dietas, toxinas do meio ambiente etc.), o corpo astral também enfraquece.

De modo similar, se o corpo astral é bombardeado por energias negativas (fadiga, estresse, raiva, crítica negativa, reclamações e acusações de familiares e amigos etc.), o corpo físico refletirá essa carga negativa e a pessoa poderá adoecer. O corpo astral é tão parte do ser humano quanto a mente, a qual, embora saibamos que "reside" no cérebro, não pode ser vista fisicamente. Da mesma forma, o corpo astral reside no corpo, embora seja invisível.

O que os céticos dizem: Não há evidências que provem a existência de sequer um corpo astral, quanto mais de vários. Toda essa baboseira de cordões umbilicais prateados, de atravessar paredes e de flutuar até o teto não é nada além de delírio, sonho, alucinação ou mentira. Os homens podem ter uma dimensão espiritual, mas com certeza essa dimensão não se manifesta como um corpo etéreo que pode sair de nosso corpo físico e vaguear por aí. Qualquer um que acredite ter feito uma "viagem astral" ou estava sonhando ou experimentando um estado de instabilidade mental.

Qualidade das provas existentes: Moderada.

Probabilidade de o fenômeno ser paranormal: Moderada a Boa.

Segundo os clarividentes que afirmam ter visto o corpo astral humano, ele é luminoso, de um colorido resplandecente e vibrante. Eles dizem que o corpo astral é real, invisível, e que está dentro de nosso corpo físico, uma parte integrante do nosso ser. Uma comparação pertinente (como mencionado) seria o paradigma de nossa mente dentro de nosso cérebro físico, real, invisível, uma parte integrante de nosso ser que conhecemos como eu.

Nosso corpo astral opera por vontade própria e, segundo os ocultistas, apenas uma pequena parcela da população tem consciência de sua existência. As pessoas que já passaram por experiências de quase-morte (veja Capítulo 57) ou que deliberada e diligentemente trabalham para desenvolver suas habilidades psíquicas, acabam por interagir com seus eus etéreos, mas a maioria dos homens vive presa apenas aos aspectos rudimentares do corpo físico.

De modo interessante, a definição amplamente aceita de um "eu astral" não parece nem um pouco melhor do que a definição padrão de "alma": "Princípio vital de animação dos seres humanos, que os dota com a capacidade de pensar, agir e sentir, e muitas vezes é considerado uma entidade imaterial; natureza espiritual dos seres humanos, considerada imortal, que se separa do corpo à época da morte e é suscetível a alegrias ou infelicidades em momentos futuros."

Assim sendo, será que a noção de "corpo astral" é simplesmente camuflada por dogmas religiosos? Existe alguma diferença real entre o conceito de alma imortal defendido pela religião e a definição de corpo astral adotada pelas filosofias ocultas?

Ambos parecem tratar do mesmo mistério.

Certa vez, tive uma conversa com uma clarividente que me contou que ela entendia a realidade universal e eterna (o que alguns chamam de natureza divina) como um arranha-céu incrivelmente alto com um número ilimitado (ou pelo menos desconhecido) de andares. Nossa realidade física é apenas um andar desse arranha-céu e é o andar onde nosso corpo físico precisa residir. Os outros andares estão fora dos limites de nossos eus corpóreos, mas podem ser acessados por nossos eus etéreos / astrais / espirituais. Ela acreditava que nosso corpo astral podia visitar esses andares, mas que nem todos tinham capacidade para "subir as escadas", por assim dizer.

De forma curiosa, esse sistema de crenças insere-se muito bem em várias das construções religiosas/espirituais do homem. Tudo se resume à ideia de que o homem possui uma alma, que ela é eterna e que perdura após a morte.

Será todo o resto apenas uma simples camuflagem?


Fonte: Os 100 Maiores Mistérios do Mundo - Stephen J. Spugnesi - Difel 2004.
Postar um comentário