domingo, 29 de janeiro de 2017

O Ladrão de Dentes


"O Rev. Sr. Perring, vigário de uma paróquia que agora faz parte de Londres e que há cerca de quarenta e cinco anos tinha a aparência de uma aldeia, encontrou a triste aflição de perder o seu filho mais velho numa idade em que os pais são encorajados a acreditar que seus filhos devem se tornar seus sobreviventes. O jovem morreu em seu décimo sétimo ano e foi enterrado em um dos cofres (túmulo) da igreja.

"Duas noites depois desse enterro, o pai sonhou que viu seu filho vestido com uma mortalha manchada de sangue, a expressão de seu semblante sendo a de uma pessoa que sofria algum paroxismo de dor aguda: " Pai, pai! Venha e me defenda!" foram as palavras que ele ouviu distintamente, enquanto olhava para aquela aparição imponente; "Eles não vão me deixar descansar em meu caixão."

"O venerável homem acordou com terror e tremor; mas depois de um breve intervalo de reflexão dolorosa concluiu que estava trabalhando sob a influência de seus tristes pensamentos do dia e da depressão dos sofrimentos passados. E com estas garantias racionais se recomendou ao Todo-Misericordioso, e dormiu de novo.

"Ele viu seu filho novamente suplicando-lhe para proteger seus restos de indignação, "Pois", disse o morto aparentemente sobrevivente, "eles estão mutilando o meu corpo neste momento." O infeliz Pai levantou-se imediatamente, sendo agora incapaz de banir a imagem temerosa de sua mente, e determinado quando o dia amanhecesse, satisfazer-se da ilusão ou da verdade da revelação transportada através desta voz aparente da sepultura.

"Em uma hora adiantada, chegou à casa do caixeiro, onde as chaves da igreja e das abóbadas eram mantidas. O secretário, depois de um atraso considerável, desceu as escadas, dizendo que era muito lamentável que ele as quisesse naquele mesmo dia, já que seu filho ao longo do caminho as tinha levado para o ferreiro para reparo. Uma das maiores das chaves foi quebrada na porta principal da abóbada, tornando impraticável qualquer pessoa entrar até que a fechadura tivesse sido retirada e reparada.

Impelido pelos piores receios, o vigário insistiu para que o caixeiro o acompanhasse até o tal ferreiro - não por uma chave senão por um pé-de-cabra, sendo sua firme determinação em entrar no cofre e ver o caixão de seu Filho sem demora.

"As lembranças do sonho se tornaram cada vez mais vivas, e o escrutínio a ser feito assumiu uma solenidade misturada com temor, que a agitação do pai tornou terrível para os agentes nesta interrupção forçada no lugar de descanso do morto. Mas as dobradiças foram rapidamente arrancadas - a barra e os ferrolhos foram batidos dentro e dobrados sob o martelo pesado do ferreiro, - e por fim com mãos cambaleantes e estendidas, o pai enlouquecido tropeçou e caiu:

O caixão de seu filho tinha sido levantado do recesso no lado da abóbada e depositado no chão de tijolo; a tampa, solta de cada parafuso, estendia-se em cima, e o corpo, envolto em seu sudário, sobre o qual havia várias manchas escuras sob o queixo, estava exposto à vista; a cabeça tinha sido levantada, a tira larga tinha sido removida de debaixo da mandíbula, que agora pendia com o horror mais horrível de expressão, como se para dizer com mais terrífica certeza a verdade da visão da noite anterior. Todos os dentes do cadáver tinham sido arrancados!

"O jovem tinha ao viver um belo conjunto de dentes brancos. O filho do caixeiro, que era um barbeiro e dentista, tinha se apoderado das chaves, e eventualmente dos dentes, para o emprego rentável de tão excelente conjunto em sua linha de negócios. Os sentimentos do Rev. Sr. Perring podem ser facilmente concebidos. O acontecimento afetou sua mente pelo restante de sua existência.

Mas o que aconteceu com o delinquente, cuja mão sacrílega havia assim explodido o túmulo, nunca mais foi corretamente verificado. Ele fugiu no mesmo dia, e era suposto ter se alistado como um soldado. O caixeiro foi ignominiosamente transferido, e não sobreviveu a essa experiência. Alguns anos depois, sua casa foi derrubada para dar espaço para melhorias extensivas e novos edifícios na aldeia.

"Quanto à ocorrência em si, poucas pessoas foram informadas disto. Como o vigário - evitando a conversa pública e a excitação sobre o assunto de qualquer membro de sua família - exerceu-se em esconder as circunstâncias tanto quanto possível. Os fatos acima, no entanto, podem ser estritamente invocados como precisos."

(Vislumbres do Sobrenatural, Frederick George Lee, 1875)

Enquanto o principal objetivo dos ladrões de cadáveres eram cadáveres para o mercado de anatomistas, os dentes também eram mercadorias valiosas. As próteses eram frequentemente feitas a partir de pérolas brancas, também conhecidos hoje como "Dentes Waterloo", após a extração de dentes por atacado que ocorreu depois dessa batalha. Este artigo relata a história da prática, que não começou com Waterloo, e sugere que muitas pessoas não percebiam a fonte de seus dentes postiços.


sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Rodolfo Zalla


Rodolfo Zalla (Buenos Aires, Argentina, 20/7/1931- São Paulo, 19/6/2016) foi um desenhista de histórias em quadrinhos argentino radicado no Brasil. Iniciou a carreira ainda na Argentina em 1953, quando produziu uma história para uma editora católica. 

Mudou-se para o Brasil em 1963, onde produziu a tira "Jacaré Mendonça" para o jornal "Última Hora", pela Editora Taika, sendo um dos artistas responsáveis pela arte de "Targo" (uma cópia de Tarzan), "O Vingador" e "O Escopião".

Após trabalhar em várias editoras, fundou o "Estúdio D-Arte", junto com Eugênio Colonnese (artista que Zalla conhecera ainda na Argentina). O estúdio funcionou entre 1966 e 1969. Entre 1967 e 1968, ao lado de Colonnese, produziu histórias de guerra para publicar na versão brasileira da revista "Blazing Combat" da Warren Publishing, contudo, o projeto foi cancelado.

Em 1981 D-Arte vira uma editora e lança duas revistas de terror bem-sucedidas "Calafrio" e "Mestres do Terror". Na Editora Abril, Zalla foi responsável por desenhar durante seis anos histórias do Zorro baseadas na série de TV da Disney. Zalla e Colonnese foram responsáveis pela utilização de quadrinhos em livros didáticos brasileiros. No gênero terror criou a personagem "Nádia, a filha de Drácula" e no faroeste, o cowboy "Johnny Pecos". Em 2005 lançou pela Opera Graphica o livro "O Desenho Magnífico de Rodolfo Zalla", um livro que ensina técnicas de desenho.

Em 2010, Zalla desenhou um álbum sobre o médium Chico Xavier, escrito por Franco de Rosa e publicado pela Ediouro e outro sobre o ex-presidente Lula, escrito por Toni Rodrigues e publicado pela Editora Sarandi. A história seria desenhada pelo amigo Eugênio Colonnese, morto em agosto de 2008.

Em julho de 2011, foi anunciado que a Editorial Kalaco e a Zarabatana Books publicariam um álbum de histórias produzidas por Zalla protagonizadas pelo "Drácula". Em agosto do mesmo ano, Zalla também anunciou a volta da revista "Calafrio" pela Editora CLUQ (Clube de Quadrinhos). Em 2010, a Editora Escala havia publicado um álbum com histórias do vampiro produzidas por Colonnese para a Editora Taika na década de 1960.

Zalla morreu em 19 de junho de 2016, aos 85 anos, em São Paulo.


Fonte: Wikipédia

Os Bonecos de Bruno

Quadrinhos do Terror apresenta: "Os Bonecos de Bruno". Revista "Coleção Contos de Terror", 1973. Argumento de R. F. Lucchetti e desenhos de Nico Rosso. Editora Taika Ltda, São Paulo.




Romeu e Julieta

Quadrinhos do Terror apresenta: "Romeu e Julieta". Revista "Coleção Contos de Terror", 1973. Argumento de R. F. Lucchetti realizado por Nico Rosso. Editora Taika Ltda, São Paulo.



Os Mortos Voltam?

Quadrinhos do Terror apresenta: "Os Mortos Voltam?". Revista Calafrio nº 01 de 14/12/1981. Texto: Helena Fonseca; Desenhos: Eugenio Colonnese. Estúdio D - Arte Criações Ltda, São Paulo.


A Ilha dos Ratos

Quadrinhos do Terror apresenta: Dossiê Negro em "A Ilha dos Ratos". Revista Calafrio nº 01 de 14/12/1981. Texto e desenhos: sem créditos. Estúdio D - Arte Criações Ltda, São Paulo.

"Calafrio" foi uma revista de histórias em quadrinhos de terror que circulou de 1981 até o início dos anos 1990. Pertencia à editora D-Arte (fundada em 1981, em São Paulo) de Rodolfo Zalla. Era uma produção só com artistas nacionais.

Tinha colaboração (em desenho e argumentação) de nomes consagrados e/ou até mesmo de artistas à época novatos, como Eugênio Colonnese, o próprio Rodolfo Zalla, Flávio Colin, Júlio Shimamoto, Mozart Couto, Rubens Cordeiro, Ota, Jayme Cortez, Watson Portela, Gedeone Malagola, Edmundo Rodrigues, Lyrio Aragão, Wilson Vieira, etc.





Morella

Quadrinhos do Terror apresenta: "Morella" (Adaptação do conto de Edgar Allan Poe). Revista Calafrio nº 01 de 14/12/1981. Desenhos de Eugenio Colonnese. Estúdio D - Arte Criações Ltda, São Paulo.

"Calafrio" foi uma revista de histórias em quadrinhos de terror que circulou de 1981 até o início dos anos 1990. Pertencia à editora D-Arte (fundada em 1981, em São Paulo) de Rodolfo Zalla. Era uma produção só com artistas nacionais. 

Tinha colaboração (em desenho e argumentação) de nomes consagrados e/ou até mesmo de artistas à época novatos, como Eugênio Colonnese, o próprio Rodolfo Zalla, Flávio Colin, Júlio Shimamoto, Mozart Couto, Rubens Cordeiro, Ota, Jayme Cortez, Watson Portela, Gedeone Malagola, Edmundo Rodrigues, Lyrio Aragão, Wilson Vieira, etc.




Minha Tia Amélia

Quadrinhos do Terror apresenta: "Minha Tia Amélia". Revista Calafrio nº 01 de 14/12/1981. Texto: Maria A. Godoy; Desenho: Rodolfo Zalla. Estúdio D - Arte Criações Ltda, São Paulo.

"Calafrio" foi uma revista de histórias em quadrinhos de terror que circulou de 1981 até o início dos anos 1990. Pertencia à editora D-Arte (fundada em 1981, em São Paulo) de Rodolfo Zalla.

Era uma produção só com artistas nacionais. Tinha colaboração (em desenho e argumentação) de nomes consagrados e/ou até mesmo de artistas à época novatos, como Eugênio Colonnese, o próprio Rodolfo Zalla, Flávio Colin, Júlio Shimamoto,Mozart Couto, Rubens Cordeiro, Ota, Jayme Cortez, Watson Portela, Gedeone Malagola, Edmundo Rodrigues, Lyrio Aragão, Wilson Vieira, etc.




Si prega di attivare i Javascript! / Please turn on Javascript!

Javaskripta ko calu karem! / Bitte schalten Sie Javascript!

Por favor, active Javascript!

Qing dakai JavaScript! / Qing dakai JavaScript!

Пожалуйста включите JavaScript! / Silakan aktifkan Javascript!Better Stop Adblock