sábado, 18 de junho de 2016

O Faquir e Seus Segredos


Que domínio possui a nossa mente sobre as funções do corpo? Fora meia dúzia de ações que são comandadas voluntariamente, como andar ou comer, a maioria das pessoas não tem controle nenhum sobre o funcionamento de seu corpo. 

Mas, reza a lenda, há até quem consiga induzir um estado cataléptico.

São as fantásticas histórias dos faquires indianos, homens supostamente sagrados, iniciados na ordem sufi do islamismo, que fizeram voto de pobreza e andam de aldeia em aldeia demonstrando seus poderes absurdos e recolhendo alguns trocados.

Há documentos históricos de casos muito intrigantes. Em 1835, o marajá de Lahore ouviu falar de um homem que tinha sido enterrado vivo por quatro meses e sobrevivera. Mandou chamar o faquir e o desafiou a repetir o feito nos jardins de seu palácio. Depois de uns dias com uma alimentação especial e exercícios de limpeza do organismo, o asceta teria começado a meditar. Em poucos segundos, seu pulso se tornou indetectável. Foi, então, enterrado. Em volta de sua sepultura, se ergueu um muro, vigiado por guardas. Depois de 45 dias, o faquir foi desenterrado. Em menos de uma hora, ele estava em pé. Pode ter sido truque, mas o faquir não foi pego em nenhum deslize.

Parece haver uma relação entre a meditação e o controle de funções que normalmente são automáticas no corpo humano. Daí talvez a capacidade de dominar a dor, para se deitar em uma cama de pregos, andar sobre o fogo ou se pendurar por ganchos.

Mas há muito de folclore em torno dos supostos poderes desses homens-santos. Muitos dos que se dizem faquires são apenas ilusionistas. Há até um caçador de faquires que os segue pela Índia, revelando o que há por trás de cada truque. Basava Premanand diz que, em 50 anos de andanças pelo país, nunca viu um milagre real.

Definição e Origens

Faquir (do persa Faqīr, "pobre ou encubado de voar", por sua vez do árabe faqr, "pobreza") é um asceta que executa feitos de resistência ou de suposta magia, como caminhar sobre fogo, engolimento de espada ou deitar-se sobre pregos.

Originalmente o termo se referia exclusivamente ao islamismo; os faquires eram dervixes sufis, eremitas, que sobreviviam da mendicância. O uso idiomático do termo foi desenvolvido durante a era Mugal da Índia, quando a palavra árabe Faqīr, "pobreza", foi trazida aos idiomas locais pelo persa falado pelas elites islâmicas; adquiriu o sentido místico da necessidade espiritual de Deus - o único a ser autossuficiente.

Utilizado para se referir aos milagreiros sombrios sufistas, com o tempo seu uso se estendeu aos diversos tipos de ascetas do hinduísmo, eventualmente substituindo termos como gosvāmin, bhikku, sadhu, e até mesmo guru, swami e yogi.

O termo se tornou comum nos idiomas urdu e hindi para descrever um mendigo. Embora ainda sejam menos influentes nas áreas urbanas, devido à expansão da educação e da tecnologia, os faquires ainda possuem muita influência sobre as pessoas de certas aldeias do interior da Índia. Entre os muçulmanos as principais ordens sufistas dos faquires são Chishtīyah, Qādirīyah, Naqshbandīyah, e Suhrawardīyah.


Wikipédia / Tânia Nogueira

Homens de Preto


Vacila o claro agente, de fraqueza, mas à noite se atira para a presa.

Definição: Os homens de preto são homens misteriosos em terno preto e óculos escuros que podem ou não ser alienígenas, os quais em geral aparecem sem avisar para "interrogar" as pessoas que dizem ter visto um OVNI ou sido abduzidas.

O que os crentes dizem: Os homens de preto são agentes alienígenas cujo trabalho é monitorar e apagar os relatos de OVNIs e de contatos alienígenas para que os outros aliens possam continuar com suas atividades na Terra sem interferência. É bem provável que os governos do mundo (ou pelo menos o dos Estados Unidos) estejam de conluio com esses seres.

o que os céticos dizem: Os homens de preto, se é que eles existem, provavelmente são agentes do governo que dirigem carros velhos e se vestem mal. Mas a probabilidade é de que não existam mesmo.

Qualidade das provas existentes: Fraca.

Probabilidade de o fenômeno ser paranormal: Baixa.

Quem são os homens de preto? Eles são reais?

O filme de 1997, Homens de Preto, oferece uma interpretação diferente para a história desses homens: eles não são aliens. São agentes humanos cujo trabalho é monitorar a atividade alienígena na Terra e nas galáxias próximas. É uma "interpretação" inteligente de um dos mais difundidos elementos da ufologia.

Segundo os relatos, os homens de preto sempre viajam em grupos de dois ou três e aparecem pouco depois de alguém contar oficialmente ter visto um OVNI ou sido abduzido. (Nem todas as vítimas de abdução são visitadas pelos homens de preto, mas muitas sim.) Em alguns casos, eles aparecem na porta da casa da pessoa após ela ter visto um OVNI, mas antes de ter a oportunidade de contar a alguém. É como se eles soubessem tudo o que acontece e quisessem impedir a pessoa de falar sobre o caso.

Em 1947, o mesmo ano da aparição do OVNI em Washington relatada por Kenneth Arnold e da colisão em Roswell, Harold Dahl veio a público com o primeiro relato oficial de uma visita dos homens de preto. Dahl declarou ter testemunhado um OVNI lançar substâncias "metálicas" (cabelo de anjo, talvez?) no oceano, próximo à costa de Maury, em Washington, e disse que na manhã seguinte recebeu uma visita de um sujeito estranho num terno escuro. Esse "homem" de aparência sinistra deu a entender que Dahl e sua família acabariam se machucando se ele continuasse a falar sobre o que tinha visto.

Acabaram descobrindo que a história de Dahl era uma farsa elaborada, mas, ainda assim, os teóricos da conspiração acreditaram na história, alegando que estavam tentando encobrir a verdade — que era, logicamente, o fato de Dahl ter recebido a visita de verdadeiros homens de preto.

Em setembro de 1953, Albert Bender, fundador do International Flying Saucer Bureau, declarou ter recebido a visita de três homens em ternos escuros após contar sobre uma teoria relativa aos OVNIs para uma das pessoas com quem se correspondia. Esse foi o verdadeiro começo da lenda dos homens de preto, a qual se tornou conhecida na ufologia como o "mistério Bender".

Os homens de preto sempre usam ternos escuros. Algumas vezes, esses ternos mostramse impecavelmente limpos e passados; noutras, sujos e amarrotados.

Algumas vezes, eles demonstram um forte sotaque; noutras, usam uma linguagem bem formal; e noutras ainda, tentam conversar num dialeto usado por gangues.

Os homens de preto parecem ficar maravilhados com objetos comuns, como colheres e escovas.

Algumas pessoas que dizem ter recebido a visita dos homens de preto contam que ficaram bem assustadas e que eles as ameaçaram com violência caso não calassem a boca.

Aparentemente, os homens de preto não têm dinheiro para comprar carros novos, pois são sempre vistos em velhos Cadillacs pretos (às vezes, há menção a outros modelos, como Lincolns ou Buicks), embora em boas condições. (Se eles fosse agentes do governo, não estariam dirigindo Taurus ou Impalas?) Além disso, segundo as testemunhas, os carros parecem emitir uma luz esverdeada, do outro mundo.

Algumas testemunhas dizem que os homens de preto usam uma maquiagem pesada e possuem traços esquisitos. (Espera um pouco! Já sei! Michael Jackson é um deles!)

E a lenda continua…

Eles podem desintegrar moedas na palma da mão. São imunes ao frio e, em geral, são vistos em pleno inverno com nada além de seus ternos pretos. E, por falar nos ternos, muitos dizem que eles parecem ser feitos de algum material esquisito e brilhante, diferente de qualquer coisa já vista por alguma das testemunhas.

É possível que os homens de preto possam levitar. Há relatos de que eles foram vistos atravessando campos encharcados e enlameados, e depois apareceram na porta de alguma casa sem uma gota de lama ou sujeira — inclusive nos sapatos, imaculadamente limpos e engraxados.

Serão os homens de preto atores contratados pelo governo e instruídos a agir de maneira tão estranha quanto possível como parte de uma campanha para enganar as pessoas?

Ou serão eles robôs ou androides de outro planeta cujo trabalho é supervisionar a atividade dos OVNIs na Terra?

Serão eles aliens, talvez do planeta Sirius, ou de alguma outra dimensão?

Não sabemos as respostas a essas questões.

Contudo, hoje em dia há muitas pessoas que acreditam que os filmes Homens de Preto, estrelados por Will Smith e Tommy Lee Jones, são documentários.


Fonte: Os 100 Maiores Mistérios do Mundo - Stephen J. Spugnesi - Difel 2004

Anomalias Lunares


Frenesi demoníaco, melancolia sofrida
E loucura causada pela lua. - John Milton

Definição: Esquisitice lunar: os aliens já habitaram ou ainda habitam a Lua; existem estruturas artificiais na Lua; a lua cheia pode afetar o humor das pessoas; o pouso na Lua foi uma farsa; luzes e OVNIs são vistos tanto ao redor quanto na própria Lua com regularidade.

O que os crentes dizem: A Lua é mais do que uma simples rocha inanimada. Dependendo do interesse do crente, algumas ou todas as anomalias lunares citadas são reais. Há de chegar o dia em que compreenderemos totalmente a história de nossa vizinha mais próxima.

O que os céticos dizem: A Lua é apenas uma rocha inanimada.

Qualidade das provas existentes: Desprezível a Moderada.

Probabilidade de o fenômeno ser paranormal: Nenhuma a Moderada.

O que são as anomalias lunares?

Para falar de modo simples, as anomalias lunares são ocorrências estranhas relacionadas à Lua, o satélite natural da Terra.

Há vários tipos de anomalias atribuídas à Lua. As mais comuns são as seguintes:

A Lua foi habitada por alienígenas, mas eles partiram há muito tempo.

A Lua ainda é habitada por alienígenas.

OVNIs são vistos e fotografados com regularidade em torno da Lua.

Luzes são vistas e fotografadas com regularidade em torno da Lua.

Existem estruturas artificiais na Lua, inclusive cúpulas, pontes, pirâmides, equipamento para mineração e transporte pela superfície lunar, assim como áreas com vegetação.

O pouso na Lua foi uma farsa.

Há bases nazistas na Lua, e o motivo pelo qual seu lado escuro nunca é fotografado é devido às gigantescas suásticas penduradas lá.

A Lua exerce uma influência paranormal sobre os seres humanos.

A lua cheia afeta o humor das pessoas.

A Lua é feita de queijo. (Desculpe — já foi comprovado que isso não é verdade.)

Alienígenas na Lua? Por séculos, os homens olhavam para a Lua e presumiam que ela era habitada. A face benigna do Homem da Lua olhava para os terráqueos e, embora os observadores do período pré-telescópio não soubessem o que havia lá, eles acreditavam que a Lua era habitada e que, um dia, talvez encontrassem esses seres. Nos tempos modernos, a ideia de alienígenas na Lua foi relegada àquela categoria de mitos surreais, os quais consideramos divertidos, mas que nos fazem pensar em como pudemos ser tão tolos.

No entanto, a ideia de alienígenas vivendo na Lua ainda persiste entre aqueles que acreditam haver provas disso lá; tudo o que precisamos fazer é procurar.

Isso nos leva à crença de que existem estruturas artificiais na Lua, e essas construções são uma prova irrefutável de que ela já foi habitada.

Estudei com atenção várias fotos da Nasa que supostamente mostram pontes, cúpulas, trilhas, pirâmides e toda sorte de estruturas e marcações. Observei as áreas nas fotos — realçadas com setas — de muitos livros, tentando ver as pontes, cúpulas e pirâmides.

Tudo o que consegui ver foram coisas que se pareciam com todas as outras do território lunar. As longas linhas brancas que diziam ser pontes pareciam com todas as outras linhas brancas vistas na superfície — as quais podiam facilmente ser a beirada de uma cratera, ou uma fileira de rochas. As pirâmides poderiam, sem muita dificuldade, ser rochas gigantescas; as cúpulas, formações rochosas; as trilhas, antigos rios de lava ou as marcas deixadas por milenares chuvas de meteoros.

Ainda assim, muitos suspeitam de que a Nasa encontrou provas de antigas civilizações alienígenas durante suas visitas à Lua e agora tenta encobrir a verdade.

Vamos falar dos pousos na Lua. Isso nos remete àqueles que têm a certeza de nunca termos ido até lá, dizendo que todas as cenas de astronautas saltitando sobre a superfície lunar foram filmadas em estúdio. Ao que parece, Las Vegas é citada algumas vezes como o local onde foi montado o cenário falso. Há livros e sites devotados a identificar as inconsistências das fotos lunares, e, embora algumas das questões levantadas sejam interessantes, até mesmo o menor esforço em revelar a verdade mostra que as teorias de conspiração são exageradas e infundadas.

Em fevereiro de 2001, o canal Fox transmitiu um especial chamado Teoria da Conspiração: Nós Pousamos na Lua? Durante o programa, foi mostrada a foto de um astronauta descendo do módulo lunar, encoberto por sua sombra. O corpo do astronauta, porém, estava iluminado, e o narrador perguntou: "Como é possível ele não estar envolto pela escuridão?" A resposta foi que havia mais de uma fonte de luz (o sol era "supostamente" a única fonte de luz na Lua), e isso prova que os astronautas não estiveram na Lua, mas sim num estúdio com várias luzes.

A verdade? A superfície refletiu a luz. O astronauta foi iluminado pela luz do sol refletida na superfície iluminada da Lua.

Os americanos pousaram na Lua em 1969. Eles voltaram inúmeras vezes, mas a última vez já faz mais de 20 anos.

Com relação aos OVNIs e às luzes vistas na própria Lua e ao seu redor, algumas fotografias são bem convincentes. Vários depoimentos validam essas aparições e é possível que algo esteja acontecendo às escondidas do público. Contudo, até que mais provas sejam coletadas, não podemos chegar a nenhuma conclusão definitiva envolvendo luares e OVNIs.

A Lua exerce uma influência paranormal nos terráqueos? A lua cheia deixa as pessoas loucas? As provas que corroboram essas teorias são fracas e a maior parte das histórias relativas a tal influência baseia-se em depoimentos. Ainda assim, eu próprio já senti o efeito da "lua cheia". Há alguns anos, na época em que eu gerenciava uma loja de joias da família, nós todos percebíamos um aumento das "loucuras" durante a lua cheia. Notávamos um acréscimo no número de consumidores estranhos, os quais agiam de forma peculiar e faziam pedidos bizarros. Em geral, comentávamos acerca desse fluxo de clientes esquisitos e, sempre que checávamos o calendário, víamos que estávamos em plena lua cheia.

Coincidência? Talvez. Mas todo mês?

Outro depoimento? Sem dúvida. Mas tive de conviver com isso, e posso lhe dizer que não estou exagerando. Estou no mínimo tentando entender o "fator loucura".

Algumas mulheres dizem vivenciar fluxos menstruais mais intensos durante a lua cheia. As marés elevam-se. Essas são alegações verificáveis.

Conclusão? Ao que parece, algumas das alegações relativas à influência da Lua sobre nós, terráqueos, se sustentam. Bandeiras com a suástica? Duvido. OVNIs? Possível. Resquícios de uma civilização alienígena? Possível, porém improvável. Efeitos físicos decorrentes da influência da Lua? Certamente. Talvez esteja na hora de voltarmos à Lua?

Pós-Escrito

Em Toledo, Ohio, a polícia analisou 122 mil relatórios policiais de 1999 a 2001 e descobriu que o índice de crimes aumentava mais de 5 por cento em noites de lua cheia.

Os computadores da polícia analisaram todos os crimes ocorridos entre seis da tarde e seis da manhã nas 38 noites de lua cheia entre 1999 e 2001. Em seguida, eles compararam esse índice com o dos crimes cometidos no mesmo horário nas outras noites durante esses anos.

Os resultados? Houve um aumento de 5,5 por cento nos crimes violentos e de 4,6 por cento nos roubos de casas durante a lua cheia.


Fonte: Os 100 Maiores Mistérios do Mundo - Stephen J. Spugnesi - Difel 2004

A Colônia Perdida de Roanoke


Todos se foram para o mundo da luz, / Apenas eu aguardo aqui sentado; / A lembrança deles é bela e clara / E meus tristes pensamentos se fazem nítidos. / Eu os vejo caminhando num mar de glória … — Henry Vaughn (1622-1695)

Definição: A colônia perdida de Roanoke era formada por um grupo de colonos ingleses que desapareceram sem deixar rastro da ilha de Roanoke, na Carolina do Norte, em algum momento entre 1587 e 1590. A única coisa que ficou para trás foi a palavra "CROATOAN" gravada numa estaca da cerca.

O que os crentes dizem: O completo desaparecimento de 113 pessoas, ou mais, junto com tudo o que elas possuíam, sugere a possibilidade de algum tipo de abdução sobrenatural. Talvez elas tenham sido sequestradas por aliens e levadas para uma nave mãe?

O que os céticos dizem: Os colonos provavelmente mudaram-se para o acampamento vizinho de Croatoan (na ilha de Hatteras) e se misturaram aos nativos de Chesapeake, resultando, uma geração depois, em índios que se assemelhavam aos brancos, com olhos acinzentados e cabelos claros.

Qualidade das provas existentes: Inconclusiva.

Probabilidade de o fenômeno ser autêntico: Inconclusiva.

John White achou que tinha sorte por estar voltando para a colônia de Roanoke no dia do aniversário de três anos de sua neta. Ele tinha ido para a Inglaterra nove dias depois do nascimento de Virgínia no Novo Mundo, e a guerra contra a Espanha o impedira de voltar até aquela data. Por três anos, mantivera sua filha Eleanor e a neta, Virgínia, em seus pensamentos enquanto os britânicos dizimavam a armada espanhola, e agora poderia vê-las novamente. "Ela provavelmente é a cara da mãe", pensou, enquanto seus três navios acostavam. Eles tinham dado um tiro de canhão para avisar os colonos da aproximação dos navios e haviam visto uma coluna de fumaça elevando-se da ilha, a qual acreditaram ser apenas uma fogueira sinalizadora.

Mas John White e sua tripulação não tiveram uma acolhida calorosa. Ao desembarcarem, encontraram … nada. Todas as casas e estruturas haviam sido "desmontadas" e, numa cerca de madeira, White encontrou gravada a palavra "CROATOAN", usada por ele para "sinalizar o lugar onde devo encontrar os colonos acomodados, um símbolo secreto sobre o qual concordamos quando os deixei da última vez … pois, com minha partida, eles estavam preparados para se mudar 80 quilômetros território adentro".

Mais de 400 anos depois, o desaparecimento dos colonos de Roanoke continua a ser um dos enigmas mais desconcertantes da história americana.

Existem algumas teorias mais plausíveis do que outras acerca do desaparecimento?

Sim, e muitos historiadores acreditam na ideia de os colonos terem migrado para Croatoan, na ilha de Hatteras, como a que faz mais sentido. John White dissera a eles para gravar o nome do lugar de destino numa árvore ou numa cerca caso resolvessem juntar as coisas e se mudar, e ele também lhes dissera para colocar uma cruz-de-malta sobre o nome do lugar se fossem forçados a partir, ou se estivessem sendo levados como prisioneiros. Não havia cruz-de-malta alguma sobre a palavra Croatoan, sugerindo que a partida tinha ocorrido por decisão deles.

Teriam eles sido assimilados pela linhagem de índios de Chesapeake?

O explorador inglês John Lawson visitou a ilha de Roanoke 119 anos após o desaparecimento da colônia. Ele passou algum tempo com os índios de Hatteras, descendentes diretos da tribo original de Croatoan. Tempos depois, John escreveu que os índios lhe haviam contado que "vários de seus ancestrais eram homens brancos que conseguiam dizer coisas num livro tal como nós, e a veracidade disso pode ser confirmada pela rara ocorrência de olhos acinzentados entre esses índios, e não em outros".

Teriam os colonos sido massacrados pelos índios de Croatoan e um dos últimos sobreviventes gravado o nome de seus assassinos na cerca? Possivelmente, mas tanto os espanhóis quanto os ingleses não apenas investigaram cuidadosamente o lugar da colônia original, como também procuraram bastante por algum sinal dos colonos, e todos terminaram de mãos vazias. Diríamos que deveria haver sinais de um massacre sangrento de mais de 100 pessoas — ainda que fossem só sangue e areia.

E quanto às teorias sobrenaturais? Alguns alegam que a colônia inteira foi abduzida por aliens e levada para uma espaçonave. Isso explicaria a total ausência de qualquer tipo de indício de que havia pessoas em Roanoke antes da chegada de John White.

Tal como acontece com todas as teorias improváveis, sobrenaturais e paranormais, não podemos comprovar que isso não aconteceu, por mais absurdo que seja. E assim continua o mistério e, por fim, nossa conclusão aqui é que o destino da colônia perdida de Roanoke ainda é desconhecido.


Fonte: Os 100 Maiores Mistérios do Mundo - Stephen J. Spugnesi - Difel 2004
Si prega di attivare i Javascript! / Please turn on Javascript!

Javaskripta ko calu karem! / Bitte schalten Sie Javascript!

Por favor, active Javascript!

Qing dakai JavaScript! / Qing dakai JavaScript!

Пожалуйста включите JavaScript! / Silakan aktifkan Javascript!Better Stop Adblock