quarta-feira, 16 de outubro de 2013

O Castelo da Megera


"...O povo arremessou-se, cego de ira pelos pátios, as escadarias, os corredores e salas e agarraram, enfim, a condessa que se tinha refugiado na capela: — “Mata! Mata!” — gritavam alucinados; mas não, a morte seria pena demasiado suave para a mulher soberba e encantadora que havia sacrificado tanta mocidade!..."

Nos arredores da República de Florença surgia ainda em 1261, o Castelo de Poppi, que por três séculos confundiu sua história com a da família dos condes Guidi, descendentes de Guido Guerra, o mais poderoso senhor da Toscana, cuja fama de ferocidade valeu-lhe o sobrenome de “Bebe Sangue”, tal era a volúpia de ódio e vingança com a qual lambia o sangue da espada que muitas vezes enterrou no coração de seus inimigos. Aliás, os Guidi foram colocados no “Inferno” por Dante em sua “Divina Comédia”.

As duas famílias, a dos Poppi e a dos Guidi, fundiram-se diversas vezes em núpcias e batizados, de maneira que suas crônicas, aliás, trágicas, misturam-se através do tempo, permanecendo, todavia, mais viva e mais trágica a dos Poppi, com seu formidável castelo medieval reunido por subterrâneos à mansão dos Guidi, que, como esta última, não pôde resistir tão bem à ação dos séculos.

Hoje, quer de um quer de outro castelo, só permanece um torreão quadrado, que os camponeses costumam chamar “A torre do diabo”, pelas lendas que a ela se ligam desde os longínquos tempos dos senhores de Poppi. A viúva de um conde Guidi, chamada Matelda, jovem e magnífica mulher, de olhos verdes e madeixas negras, permanece ainda hoje na memória dos habitantes da região como maldita feiticeira, causadora da morte e do desaparecimento de numerosos rapazes, filhos de famílias modestas, porem honradas, de proprietários rurais e camponeses, que entraram certo dia, ao escurecer, pela grande porta do castelo, tendo atravessado a ponte levadiça, os braços carregados de oferendas campestres, flores e frutos lindos de suas hortas e que nunca mais regressaram para suas fazendas e seus casebres.

Com o tempo, uma lenda atroz veio-se formando no espírito de todos e que devia custar a vida a Matelda. Ela fora a odiosa bruxa de olhos verdes, que nas manhãs luminosas, nas tardes ensolaradas, aparecia, de súbito, sob as vestes de uma camponesa, a trabalhar valentemente ao lado dos camponeses.

Matelda (por Noé Bordignon)
Irresistível sereia sabia seduzir os jovens com palavras mansas, enquanto ajudava a despir a vinha dos cachos de uva roxa, ou amarrar, com tiras de capim seco, os feixes de trigo dourado:

— “Sou a mucama da senhora do castelo. Vim trabalhar hoje porque preciso apanhar sol! Vem ter comigo à noite? Dar-te-ei um amuleto feito com os cachos dela e nunca o teu gado terá a peste! Podes entrar pela porta grande, dizendo que trazes hortaliças e flores para a condessa!”.

O incauto acreditava! Era sempre um dos mais belos e mais robustos rapazes da redondeza e ao cair da noite era ele misteriosamente introduzido no castelo onde sempre chegava carregado de presentes campestres, que lhe eram tolhidos logo ao ultrapassar o limiar do pátio interno da imponente mansão e, olhos vendados, sentia-se guiado, pelo velho guarda que o tinha recebido, por salas e corredores, escadas e terraços, subindo e descendo pelos labirintos da vetusta construção, até um local onde lhe tiravam a venda e ele se via, de súbito, como num conto de fadas, no meio de um quarto luxuosamente mobiliado; tapetes e cortinas, ouros e candelabros, onde os cristais e os adornos de prata se disputavam a glória de jorrar o maior brilho.

Deslumbrado, olhava em redor sem saber o que pensar, quando uma voz melodiosa o fazia estremecer:

— “Não me conheces? Já não te lembras da companheira que te ajudou ontem a amarrar os feixes do trigo?”

— “Mas! eu pensava que vosmecê fosse a criada do castelo?! Eu não sabia! Devo pedir perdão! E voltar!?”

— “Não! Porque agora tu és o meu príncipe e o meu amor!” E, envolvendo o jovem em seus braços de sereia, fazia-o esquecer de tudo o que não fosse aquela sua aventura de “Mil e Uma Noites”!

Tudo, porem, tem um fim e na manhã seguinte a condessa de Poppi despedia com um último beijo o seu jovem amigo:

— “O caminho para saíres do castelo tem todas as portas abertas... Vai!”

— “Até breve?”

— “Adeus!”

O rapaz partia. Conservava ainda nos lábios o sabor dos beijos ardentes e no corpo a lembrança dos violentos abraços. Tinha os membros lassos e a alma como ébria, mas o coração estalava de felicidade e orgulho. O humilde filho de um camponês tinha conseguido selar com seus beijos a boca voluptuosa de uma grande e nobre dama!

As primeiras luzes da alvorada começaram a enrubecer os cimos dos Alpes nevados, trazendo até o vale um vento gélido que fazia estremecer. O guapo rapaz, sangue de povo e músculos de aço, indiferente a qualquer mudança de temperatura, saia da claridade incerta de uma sala, dirigindo-se para a luz de outra sala, atravessando um curto corredor escuro, mas chegando bem no meio do pequeno trânsito, sentia de súbito faltar-lhe o chão sob o peso do corpo e caia num abismo sem fundo!

Quem ouviria o brado de angústia do desgraçado que se afundava nas águas turvas de uma cisterna? E quem poderia imaginar, que nos alegres campos de trigo dourado, que lá em baixo, nas trevas dos calabouços do castelo, uma criatura humana gesticulava numa agonia horrível, procurando agarrar-se a algo que retardasse de uma hora, ou de um minuto, a chegada da morte?

Quem poderia vingar o infeliz rapaz que pagava tão caro preço por uma noite de amor? E a maldição que lhe saía dos lábios no supremo momento perdia-se de encontro à abertura alta do poço, que, de repente, se fechava com o ruído seco de uma mola de aço! A nobre dama saciada, entre seus damascos, ouvindo o longínquo estalar da mola que lhe garantia o desaparecimento eterno de seu cúmplice de amor, que não mais a poderia denunciar ou comprometer, estirava-se nos lençóis com um sorriso de feroz satisfação, enquanto o sol, lá fora, chamava os homens ao trabalho dos campos.

Dias passavam e, de novo, surgia entre os trabalhadores a figura estranha de uma linda jovem, criada da condessa, perscrutando, olhos lânguidos, os jovens que mais lhe agradavam e a nova insídia realizava-se com idêntico epílogo. Muitas foram as vítimas, mas o povo começou a observar e a murmurar. Onde, como desapareciam tantos rapazes? Falava-se do filho de um fazendeiro que nunca mais se ouvira cantar, como de costume, entre os companheiros; de um homem de armas, que não respondeu ao apelo de seus chefes; de um menestrel, que passou como fantasma, atravessando a ponte levadiça do castelo, mas que nunca mais voltou!

A fantasia trabalhava! Nas casas fechadas, à noite, ante a lareira, todos comentavam, discorrendo sobre suspeitos e horrendos casos! Eram tempos cheios de temores e de covardia. Uma palavra, um mote, não podia ressuscitar mortos, mas podia condenar à tortura muitos inventos. Talvez a linda castelã guardasse junto a si, com as suaves e douradas cadeias do amor os favoritos da fortuna? Sim, mas por que nenhum deles dava mais sinal de vida?

De uma feita desapareceu um rapazinho de, apenas, dezoito anos. Trabalhava também nas vinhas de seu pai. Era o benjamim da aldeia. Onde estaria ele? Os pais não se resignaram e grande foi o tumulto, a procura insistente para lograr encontrar o rapaz. Bateram-se campos e florestas, montes e casebres; em vão; ninguém descobrira o menor vestígio da passagem do rapazinho. Nada se encontrara pelas estradas que de Poppi se comunicam pelo mundo fora.

Eis, porém, que alguém deu uma idéia que fez nascer suspeitas:

— “Não teria ele sido chamado para ir ao castelo? E, depois, quem o viu mais sair vivo? Ninguém?

Os ânimos exaltaram-se! Todo o mundo sabia que a senhora de Poppi era perversa e terrível, mas assim não podia continuar, era mister vingar aquele morto, quase uma criança ainda, o benjamim da aldeia!

Muitos camponeses armaram-se. Os sinos tocaram a “reunir”; todo o povoado dos montes e do vale acudiu e num momento encheram-se as ruas, as praças e as estradas de uma multidão hostil e ameaçadora que marchava em silêncio, feições carregadas, rumo ao castelo e suas torres.

Os homens de armas, defensores da vetusta mansão, encerrados em seu nicho de pedra, como fortalezas, não seriam bastante numerosos que pudessem amedrontar aquela “avalanche” humana cheia de ódio e furor e a surpresa do assalto que encerrou logo o castelo como num círculo de ferro, não permitia mais pedir auxílio nem ajuda a ninguém de fora.

A batalha foi áspera entre os poucos armeiros e a multidão que avançava decidida e audaz. Saltaram a torrente que rodeava o castelo e as pesadas portas de carvalho e ferro cederam sob o ímpeto dos machados, das foices e das enxadas. O povo arremessou-se, cego de ira pelos pátios, as escadarias, os corredores e salas e agarraram, enfim, a condessa que se tinha refugiado na capela:

— “Mata! Mata!” — gritavam alucinados; mas não, a morte seria pena demasiado suave para a mulher soberba e encantadora que havia sacrificado tanta mocidade!

— Não matem logo! Esperem! Esperem!”

— “Deve morrer aos poucos!”

— “Que morra de fome!”

— “Sim, morrerá de fome!”

Por cruel ironia a prisioneira foi arrastada e fechada no calabouço da “Torre dos Mantimentos”. Os berros da infeliz, sepultada viva, duraram dias e noites, acabando num gemido surdo e a “Torre dos Mantimentos” foi chamada depois: “A Torre da Fome”.

Assim findou a triste existência de uma criatura linda e sedutora, que poderia ter sido boa, caridosa e humilde, e má na distribuição dos dons que havia recebido de Nosso Pai Celeste.

Surgiram depois artistas e poetas para tirar enredos e lendas, ricos de harmonias e de horrores, assim como peregrinos de todas as partes do mundo, para visitarem o vasto castelo, tão cheio de graça e majestade, que foi, no entanto, quadro e moldura de tão hediondos crimes. Os poetas cantaram em rima e versos livres, as noites de amor de Matelda e os apelos desesperados de suas jovens vítimas enviadas ao Criador com o único “Viático” de um traiçoeiro beijo!

O povo, com o andar do tempo, rebatizou a “Torre do Diabo” e chamou-a “A Torre da Fome”, onde Matelda tinha padecido e morrido à míngua de um pedaço de pão. Ainda hoje, os habitantes daqueles sítios falam de umas aparições que rodeiam a torre nas noites sem lua! É o fantasma de uma mulher perseguida por demônios que a deixam sempre cair do alto da torre em baixo, como a terrível condessa fizera com os seus cúmplices de uma só noite de amor!


Texto de Itala Gomes Vaz de Carvalho 

Fonte: A Noite Illustrada - Supplemento Semanal - 27/06/1944.