segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

A Premonição de Mark Twain


Mark Twain, cujo nome verdadeiro era Samuel Langhorne Clemens, ainda é o escritor mais amado dos EUA. Nascido na pequena cidade de Flórida, Missouri, e criado na cidade vizinha de Hannibal, ele conseguiu passar para o papel toda a coleção de documentos literários, históricos e etnográficos que se referem à esfera cultural americana em livros, como As Aventuras de Huckleberry Finn.

Mas pouca gente sabe que, por trás do humor e do cinismo, Mark Twain era um sério estudioso dos fenômenos paranormais. Seu interesse pelo assunto surgiu de experiências pessoais, inclusive a de determinado dia, em 1858, quando previu a morte do irmão.

Nessa época, o escritor trabalhava como timoneiro em um paquete, que fazia o percurso entre Nova Orleans e St. Louis. Certa noite, enquanto passava alguns dias em terra firme, sonhou com o irmão Henry morto, deitado num caixão de metal e vestido com um dos ternos do próprio Twain. O caixão era sustentado por duas cadeiras, e havia um buquê de flores - com uma rosa vermelha no centro - sobre seu peito. O sonho parecia tão real que, quando acordou, Mark Twain não percebeu que estivera dormindo e pensou que voltara para casa.

O sonho teve trágico desenrolar, dois dias depois. Enquanto Twain continuava em Nova Orleans, o paquete continuou descendo o Mississipi. Seu irmão, que também trabalhava no barco, seguiu viagem rio abaixo, quando uma caldeira explodiu. Henry ficou seriamente ferido e foi levado para Memphis, onde morreu quando o médico, acidentalmente, aplicou-lhe uma dose excessiva de morfina.

Quando Henry estava pronto para ser enterrado, algumas senhoras bondosas levantaram dinheiro para a compra de um caixão de metal. Seu corpo foi vestido com um dos ternos de Mark Twain.

Enquanto o escritor chorava a morte do irmão, uma senhora entrou na sala e colocou um buquê de rosas brancas - com uma rosa vermelha no centro - sobre o peito do falecido. Depois, o esquife foi enviado para St. Louis, onde foi colocado no pavimento superior do sobrado de seu cunhado.

Quando Mark Twain foi visitar o corpo do irmão, viu que o caixão fora colocado sobre duas cadeiras, exatamente como sonhara.


Fonte: Livro «O Livro dos Fenômenos Estranhos» de Charles Berlitz