segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

A Possuída


Giuseppe Verardi tinha 19 anos quando seu cadáver foi encontrado embaixo de uma ponte entre Siano e Catanzaro, duas pequenas cidades na Itália.  Estava vestido apenas com as roupas de baixo, pois o resto fora jogado perto dali.

A data era 13 de fevereiro de 1936, e as autoridades municipais de Siano concluíram que Giuseppe se suicidara. Essa declaração foi recebida com ceticismo pelos amigos e familiares da vítima, que não podiam acreditar que a simples queda de uma altura de 9 metros pudesse explicar os ferimentos do rapaz.

Ninguém mais falava sobre a morte de Giuseppe no dia 5 de janeiro de 1939, quando estranho fenômeno aconteceu na cidade. A principal personagem da história foi Maria Talarico, garota de 17 anos que nunca vira nem Giuseppe nem ninguém de sua família.

Ela estava atravessando a ponte com a avó, quando entrou em estranho transe, caiu de joelhos e passou a delirar. Com a ajuda da avó e de um transeunte, Maria foi levada para casa. Mas, quando voltou a si, ela não era mais Maria.

Estranha voz masculina saía de sua boca, e a moça passou a afirmar ser Giuseppe Verardi, o rapaz que morrera na ponte. O incansável fantasma de Giuseppe assumiu controle total de Maria e até chegou a escrever uma carta para a mãe, com sua própria caligrafia.

Naquela mesma noite, a entidade forçou Maria a entregar-se a uma curiosa pantomima, em que "ele" reviveu a última noite em Siano. O espírito fingiu estar bebendo e jogando baralho, exatamente como Giuseppe fizera na noite em que morrera.

A entidade continuou tomando vinho, embora Maria jamais tivesse ingerido mais de um copo durante as refeições. Então, a entidade começou a simular uma briga com companheiros de jogo, o que, presumivelmente, aconteceu na ponte.

A mãe de Giuseppe foi visitar Maria no dia seguinte, e a entidade que a estava possuindo reconheceu-a imediatamente, descrevendo os ferimentos encontrados em seu corpo. Relatou os nomes dos assassinos, embora poucos deles ainda morassem em Siano. A sra. Verardi voltou para casa e rezou para que o espírito do filho deixasse Maria.

Mais tarde, naquele mesmo dia, Maria caminhou até a fatídica ponte, ainda possuída pelo jovem assassinado. Ao chegar ali, tirou a roupa e deitou-se sob a ponte, na exata posição em que o corpo de Giuseppe fora encontrado.

Em poucos minutos, Maria voltou a si, e não conseguiu se lembrar de nada que acontecera.

O retorno mediúnico de Giuseppe Verardi recebeu ampla cobertura jornalística em 1939. Ernesto Bozzano, naquela ocasião provavelmente o principal pesquisador de fenômenos mediúnicos na Itália, estudou o caso e publicou um relato a respeito dele em 1940.


Fonte: Livro «O Livro dos Fenômenos Estranhos» de Charles Berlitz