quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Cabeça de cuia

Sete Marias / Precisa tragar / São sete virgens / Pro encanto acabar // Quando o rio / Em cheia desce / Cabeça de cuia / Sempre aparece // Rema pra margem / Oh! Velho pescador / Que a curva do rio / O monstro apontou // Castigo tremendo / Que Deus lhe deu / Por bater na mãezinha / Crispim se encantou // Tem medo, oh! Maria / Que estás a lavar / O cabeça de cuia / Te pode tragar (Canção popular atribuída a Chico Bento)

Durante as cheias, sempre à noite e mais freqüentemente às sextas-feiras, costuma aparecer nas águas dos rios Poti e Parnaíba, um monstro. Trata-se de um sujeito alto, magro, com longos cabelos caídos pela testa e cheios de lodo, a que chamam cabeça de cuia.

Dizem que, há muitos anos, em uma pequena aldeia do vilarejo denominado Poti Velho vivia uma pequena família, cujo arrimo era um jovem pescador, a que alguns dão o nome de Crispim. Certo dia, o rapaz retornou da pesca muito aborrecido. À hora da refeição, composta de carne de vaca, pegou um enorme pedaço de osso e, a fim de tirar o tutano, bateu com ele na cabeça da velha mãe. A pobre senhora, indignada e enfurecida, rogou-lhe uma praga, amaldiçoando-o. O filho, com o coração tomado de remorso, pôs-se a correr como um louco e atirou-se às águas do rio Poti, desaparecendo.

Desde esse dia, o cabeça de cuia nada errante pelas águas dos dois rios, surgindo ora aqui, ora ali, na época das enchentes e nas noites de sexta-feira. Aparece de repente e agarra banhistas desavisados, principalmente crianças, arrastando-os para o fundo das águas. De sete em sete anos, devora uma moça chamada Maria. Após apoderar-se de sete Marias, seu encanto estará quebrado e ele retornará ao seu estado natural. Contam que sua mãe permanecerá viva até que o filho esteja livre de sua sina.

É o principal mito do estado do Piauí. A Prefeitura de Teresina instituiu, em 2003, o Dia do Cabeça de Cuia, a ser comemorado na última sexta-feira do mês de abril.

Fonte: Jangada Brasil.
_______________________________________________________

Referências bibliográficas: Cabral, Alfredo do Vale. Achegas ao estudo do folclore brasileiro. Rio de Janeiro, Ministério da Educação e Cultura / Fundação Nacional de Artes, 1978; Cascudo, Luís da Câmara. Dicionário do folclore brasileiro. Rio de Janeiro, Instituto Nacional do Livro, 1954 | 9ª edição: Rio de Janeiro, Ediouro, sd | Geografia dos mitos brasileiros. 2ª ed. São Paulo, Global Editora, 2002, p.268-271; Freitas, João Alfredo de. Superstições e lendas do Norte do Brasil. Recife, 1884; Gonçalves Neto, Vítor. "O cabeça de cuia". Jornal do Dia. Porto Alegre, 01 de fevereiro de 1959, "Regionalismo, tradição e folclore", nº 103, p.17-23; Magalhães, Basílio de. O folclore no Brasil. Rio de Janeiro, Livraria Quaresma, 1928; Paranaguá, Joaquim Nogueira. Do Rio de Janeiro ao Piauí pelo interior do país (impressões de viagem), 1905; "Folclore piauiense para a festa". Jornal de Brasília. Brasília, 02 de maio de 1976.