domingo, 1 de maio de 2016

O Mistério de Mitchell Fiat


Luzes fantasmagóricas que assombram o mesmo local ano após ano dificilmente podem ser classificadas como um fenômeno isolado. Pelo menos 35 desses lugares são conhecidos só nos EUA e no Canadá. Mas poucas luzes fantasmas podem ser mais conhecidas e folclóricas do que as que, segundo dizem, pairam sobre Mitchell Fiat, nas proximidades da atual cidade de Marfa, região oeste do Texas.

Os relatos de luminosos globos dançantes sobre o solo do deserto datam dos tempos dos apaches mescaleros. Robert Ellison, um dos primeiros colonos brancos na área, viu esses globos já em 1883, e pensou que fossem fogueiras de acampamentos indígenas. Mais recentemente, James Dean, enquanto filmava “Assim Caminha a Humanidade” em Marfa, nos anos 50, manteve constantemente um telescópio assestado em uma cerca de arame farpado, na esperança de ver as luzes.

Nos dias de hoje, quando as condições atmosféricas são favoráveis, as luzes podem ser vistas como se fossem brilhantes feijões mexicanos saltadores, desde que você se posicione em um determinado local na rodovia 90, cerca de 13 quilômetros a leste da cidade. Eles normalmente dançam à distância, a meio caminho entre a rodovia e as montanhas Chinati, mas em raras ocasiões se aventuram a aproximar-se, o que facilita sua observação.

Charles Cude, de San Antônio, acabara de estacionar seu carro no acostamento da estrada certa noite, quando viu duas luzes.

- Parecia ser um automóvel atravessando a pista, indo do leste para o oeste - disse ele.

Quando Cude percebeu que não havia nenhuma estrada cruzando a pista onde estava, uma das luzes, de repente, subiu a uma grande altura.

Alguns momentos depois, outra luz passou entre o carro de Cude e um outro, estacionado no acostamento oposto, desaparecendo no meio do deserto. Charles Cude declarou que a luz parecia ter entre 50 e 70 centímetros de diâmetro. Sua superfície, segundo ele, lembrava as fotos tiradas da Terra por astronautas em órbita.

- Era um globo brilhante coberto com nuvens arrastadas em torvelinho.


Fonte: Livro «O Livro dos Fenômenos Estranhos» de Charles Berlitz
Postar um comentário