quarta-feira, 30 de março de 2016

O Efeito Ganzfeld


Alguns especialistas acreditam que todos possuem algum resquício de mediunidade. O problema, afirmam, é encontrar esse sexto sentido nas galerias secretas da mente.

Um dos procedimentos mais bem-sucedidos para ajudar alguém a aprender como usar a percepção extrassensorial é a técnica de Ganzfeld, na qual o voluntário senta-se em uma cabine fechada, à prova de som, e recebe a ordem de ficar descontraído, enquanto duas metades de uma bola de pingue-pongue são colocadas sobre seus olhos. Como as esferas translúcidas dispersam a luz, a pessoa tem apenas um campo visual avermelhado e indiferenciado. Fones colocados nos ouvidos emitem um suave som sibilante, e a pessoa fica isolada de qualquer outra fonte de força sensorial.

O especialista que coordena a experiência, sentado em outro ambiente, olha para imagens selecionadas a esmo e tenta transmiti-las para a pessoa que está sendo testada por meio da PES (percepção extrassensorial). Quando a experiência termina, 35 minutos ou mais depois, a pessoa testada é solicitada a separar cópias daquelas imagens, entre algumas outras colocadas ali apenas para dificultar sua tarefa.

Nas experiências de Ganzfeld, cujo primeiro relatório foi feito por Charles Honorton, da divisão de parapsicologia e psicofísica do Maimonides Medical Center em 1973, quase metade das pessoas testadas escolheram a imagem correta. Quando o tema de uma dessas sessões era "Pássaros do Mundo", por exemplo, a pessoa submetida ao teste reportava "uma grande cabeça de gavião" e "a sensação de penas macias". Não se consegue um resultado melhor do que esse por intermédio da telepatia.

Desde que os cientistas do Maimonides relataram seu primeiro sucesso, o Efeito Ganzfeld foi reproduzido por diversos outros laboratórios de parapsicologia. Hoje em dia, ele é uma das ferramentas mais confiáveis para testes de percepção extrassensorial.


Fonte: Livro «O Livro dos Fenômenos Estranhos» de Charles Berlitz
Postar um comentário