quinta-feira, 24 de março de 2016

Ladrões de Cadáveres - II

Roubo de sepultura em andamento ...

A fim de compreender a anatomia humana, estudantes de medicina devem ter acesso a cadáveres. Hoje isso é verdade, e era quando o Dr. McDowell começou a ensinar anatomia. Atualmente os estudantes de medicina têm acesso a cadáveres para dissecação - milhares de pessoas deixam seus corpos para a ciência cada ano. No século 18, bem, nem tanto.

O consenso geral do público, naquela época, era que os estudantes de medicina não deviam dissecar cadáveres humanos. Era considerado falta de respeito, beirando a blasfêmia. Mais tarde, depois de alguns anos, as escolas de anatomia obtiveram permissão para usar os corpos dos assassinos enforcados, ou cadáveres não reclamados. Mas não era suficiente. As escolas foram forçadas a recorrer a ladrões de corpos.

Dr. McDowell
Dr. Joseph Nash McDowell (01/04/1805 - 18/09/1868) foi um médico e um cirurgião altamente qualificado. Ele lecionava anatomia humana em uma faculdade de medicina localizada na 8th Street e Gratiot, próximo de Chouteau Pond, em St. Louis, Missouri. O lugar tinha má reputação. Histórias de arrepiar os cabelos e estranhas experiências médicas estavam ligados à faculdade, e diretamente ao Dr. McDowell. Multidões enfurecidas invadiram essa faculdade em duas ocasiões distintas.

McDowell teve uma reputação como ladrão de túmulos, e foi bem merecida. Considerando que alguns professores de anatomia enviavam seus alunos para fora do cemitério para fazer o trabalho sujo, McDowell levava os seus para dentro, tarde da noite, em expedições de remoção ilegal de cadáveres (Body Snatching). Uma tarefa perigosa, porque roubar corpos era (e é) completamente ilegal.

"Resurrection's Men" (homens-ressurreição), ladrões profissionais.

Mas nem todos os médicos eram tão corajosos assim. Alguns usavam os serviços de "Resurrection's Men" (homens-ressurreição), ladrões profissionais que atendiam a necessidade das escolas médicas para cadáveres. Essa terceirização nem sempre foi bem-sucedida.

Em 1828, Edimburgo, Escócia, um médico chamado Robert Knox combinou a compra de alguns cadáveres com um par de imigrantes irlandeses chamados William Burke e William Hare. Como se constata, Burke e Hare não foram desenterrar cadáveres, eles os estavam criando. Ao longo de cerca de dez meses, eles estrangularam 16 pessoas, e venderem seus corpos para Dr. Knox.

Gaiolas de ferro para caixão chamadas "mortsafes".

Tanto nos Estados Unidos e na Europa, as pessoas estavam bastante preocupadas com a possibilidade de seus entes queridos a serem roubados de suas sepulturas. Uma indústria de dispositivos de proteção cemitério surgiu. Eles variaram de uma laje pesada de pedra a ser colocada em cima do caixão, para gaiolas de ferro para caixão chamadas "mortsafes", para armadilhas com armas no cemitério e até mesmo bombas.

No século 20, os governos começaram a entender a importância de disponibilizar cadáveres para estudantes de medicina, e as diretrizes foram relaxadas. O sequestro de corpos é quase extinto agora, com a exceção estranha e ocasional de criminosos que roubam corpos na esperança de conseguir dinheiro do resgate de seus entes queridos.


Fonte: Mad Doctor McDowell