segunda-feira, 2 de maio de 2016

Baychimo Navegando à Deriva


O SS Baychimo era um navio de carga de 1.322 toneladas, construído em 1914 na Suécia e de propriedade da Hudson's Bay Company, usado para negociar provisões e peles em assentamentos ao longo da costa da Ilha Victoria, em territórios do noroeste do Canadá. 

Ele se tornou um navio-fantasma notável ao longo da costa do Alasca, sendo abandonado em 1931 e visto inúmeras vezes desde então até sua última aparição em 1969.

Originalmente batizado de Ångermanelfven, tinha 70 metros de comprimento e era propulsado por um motor à vapor de expansão tripla que desenvolvia até 10 nós de velocidade. O Ångermanelfven foi utilizado também na I Guerra Mundial (1914 – 1918) nas rotas alemãs entre o Império Alemão e o Reino da Suécia no Mar do Norte. Muitos soldados feridos transportados morreram a bordo.

Com a derrota da Alemanha e seus aliados na grande guerra. Após o tratado de Versalhes a Alemanha teve que ceder uma grande parte da sua frota mercante como reparação de guerra, entre os navios de sua marinha mercante estava o Ångermanelfven que foi comprado pela companhia de navegação escocesa Hudson Bay por um custo muito baixo e foi rebatizado de Baychimo.

O Bachymo foi utilizado em rotas entre o Alaska e a costa escocesa da Inglaterra, visitando pontos de comércio e aldeias esquimó trocando produtos industrializados e combustível por peles.

Em 1o de Outubro de 1931, quando transportava uma carga de peles, ficou preso em um banco de gelo. Seus tripulantes abandonaram a embarcação e andaram por cerca de 1km sobre o oceano congelado até a cidade de Barrow. Porém, o Baychimo desprendeu-se do gelo, e sua tripulação voltou para continuar a viagem.

No dia 08 de Outubro ele ficou preso novamente, desta vez em um local remoto, onde aeronaves da Hudson Bay Company retiraram a maior parte da tripulação, deixando apenas 15 membros no local, para vigiar se o navio conseguiria livrar-se do gelo, esperando o resto do inverno caso necessário. Devido ao perigo em manter-se a bordo em caso de esmagamento pelo gelo, a tripulação remanescente construiu um abrigo de madeira sobre o mar congelado próximo ao navio.

Uma grande tempestade abreviou o trabalho da tripulação em 24 de Novembro, pois ao tentar verificar os estragos após a tormenta, o Baychimo tinha simplesmente desaparecido. A conclusão óbvia do Imediato foi de que o navio afundara durante a tempestade.

Alguns dias depois, foi comprovado o engano do Imediato, quando Esquimós informaram o avistamento do Baychimo a cerca de 72Km do ponto de encalhe. A tripulação decidiu que mesmo livre para navegar, seria impossível sobreviver ao inverno naquela embarcação. As peles foram retiradas do barco e os 15 marinheiros foram resgatados para nunca mais voltar. O Baychimo era oficialmente um “Navio Fantasma”, que provavelmente nunca mais seria visto depois da primeira tormenta que enfrentasse.

Mas foi a partir deste momento que começou uma série de avistamentos que duraram 38 anos …

1931 – Alguns meses depois do abandono, foi visto novamente cerca de 480 km a leste.

Março de 1932 – Foi visto navegando tranquilamente perto da costa do Alasca, por um viajante, próximo à cidade de Nome.

Março de 1933 – Encontrado por um grupo de Inuites que fugiam de uma tormenta, servindo de abrigo durante 10 dias.

Agosto de 1933 – A Hudson Bay Company informou que o Baychimo continuava à deriva, mas uma operação de resgate estava fora de cogitação, pois seria muito cara.

Julho de 1934 – Foi visto por um grupo de exploradores em uma escuna.

Setembro de 1935 – Foi visto ao longo da costa do Alasca.

Novembro de 1939 – Foi abordado pelo capitão Hugh Polson, com o intuito de um resgate, mas os assustadores blocos de gelo flutuantes da região fizeram com que a tentativa de resgate fosse abortada.

Entre 1939 e 1961 – Foi avistado inúmeras vezes por vários navios, mas nunca foi tentada uma abordagem.

Março de 1962 – Foi visto navegando ao longo do Mar de Beaufort por um grupo de esquimós.

1969 – Em seu último avistamento, foi visto congelado em um bloco de gelo, 38 anos após ter sido abandonado.

2006 – O Governo do Alasca iniciou um Projeto para resolver definitivamente o caso do “Navio-Fantasma”, localizando-o. Até agora as buscas não tiveram sucesso.