segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Destinos assustadores: Bram Castle



Brasov, Romênia.

Antiga casa de Vlad, o Empalador, que serviu de inspiração do Drácula de Bram Stoker.

Foi nesta cidade que Vlad Tepes – nascido na Transilvânia em 1431 e morto numa batalha contra os Turcos Otomanos em 1476 – cometeu algumas das maiores atrocidades já vistas pelo homem, inspirando o romance Drácula de Bram Stoker, escrito em 1877.

Vlad III herdou o apelido de seu pai, Vlad II: guerreiro da Ordem do Dragão, símbolo de seu principado e destinada à defender o cristianismo e o Império da ameaça dos Otomanos. Em romeno “drac” significa dragão e “ulea”, filho de; assim, Vlad II foi chamado de Vlad Drácula, ou seja, “o filho do Dragão”. A palavra “drac” também pode significar demônio.

Conta-se que em 1461, Mehmet II do Império Otomano, homem reputado por sua coragem, desistiu de invadir a Transilvânia diante da horrenda visão e fétido odor da floresta de 20.000 prisioneiros turcos empalados na entrada da cidade de Torgoviste. Mas este não foi seu recorde, no dia de São Bartolomeu de 1459, Vlad ordenara o empalamento de trinta mil pessoas.

Para efetuar o processo de empalamento, Vlad prendia as pernas da vítima em um cavalo enquanto uma estaca afiada era introduzida lentamente no corpo do torturado. A ponta da estaca era mergulhada em óleo, mas mantinha-se o cuidado especial de não a deixar excessivamente afiada para não causar a morte imediata da vítima. Normalmente a estaca era inserida no ânus até sair pela boca, entretanto, muitas vezes, as vítimas eram empaladas através de outros orifícios corporais, abdômen, peito...; mãe e filhos eram empalados em uma mesma estaca, incialmente atravessada pelo peito da mãe. Todos os corpos eram deixados no local para apodrecer a olhos nus.

O empalamento logicamente não era seu único método de tortura física, psicológica e política. Despelamento, mutilamento de membros e genitais tanto masculinos quanto femininos; estrangulamento, cortes, queimaduras, decepamento de narizes, orelhas, olhos.


Fontes: Wikipédia; 10 destinos assustadores
Postar um comentário