segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Dentro de um furacão


A natureza apresenta inumeráveis espetáculos violentos, mas poucos podem se comparar com a destruição e a intensidade do furacão, em que os ventos centrífugos podem chegar a 320 km/h.

A despeito de uma superabundância de fotos, filmes e vídeos a respeito dos furacões, os relatos de testemunhas oculares que observaram o fenômeno de perto são escassos. Contudo, observação extremamente rara do interior de um furacão nos chega de uma tempestade que caiu sobre McKinney, Texas, ao norte de Dallas, no dia 3 de maio de 1943.

- A parte inferior da borda ficara a cerca de 6 metros acima do chão - declarou Roy Hall, cuja casa o tufão acabara de destruir. O interior do funil era oco; a borda em si parecia não ter mais de 3 metros de espessura e, possivelmente devido à luz dentro do funil, parecia ser perfeitamente opaca. Sua parte interna era tão lisa e perfeita que parecia o interior de um tubo vítreo. A borda externa girava diante dos olhos de Hall com incrível rapidez.

- Apoiei-me no meu cotovelo esquerdo, para me proteger melhor, e olhei para cima. É possível que naquele instante meus olhos tenham visto uma coisa que poucos viram antes e sobreviveram para contar. Eu estava olhando para cima, através do interior de um enorme funil de um furacão.

E continuou:

- Fui levado a mais de 300 metros, para cima, e ia sendo arrastado suave e lentamente em direção a sudeste. No fundo, o túnel devia ter cerca de 150 metros de diâmetro. Na parte de cima ele era maior, e parecia ser formado, pelo menos em parte, por uma nuvem brilhante, que emitia uma luz trêmula, como uma lâmpada fluorescente. Essa luz brilhante estava no meio do funil, sem tocar os lados.

Só temos conhecimento de um outro relato sobre o interior de um furacão, e ele nos vem de Wül Keller, fazendeiro de Greensburg, Kansas, que ficou horrorizado quando viu um dos terríveis ciclones aproximando-se de seu abrigo contra tempestades, onde ele se escondera no dia 2 de junho de 1928. O ar circundante, conforme Keller, estava tão imóvel quanto a morte. O interior de seu tufão era iluminado, com relâmpagos que passavam de um lado para outro. A partir da base do funil, furacões menores eram formados e se afastavam, como uma Moby Dick aérea dando à luz uma ninhada de pequenas baleias. No interior havia também uma nuvem solitária como a testemunhada por Hall.

Nenhum dos dois homens tinha coisa alguma a ganhar inventando mentiras. No entanto, suas histórias, caso sejam verdadeiras, deverão resultar em uma revisão do que conhecemos sobre furacões, particularmente porque a teoria científica atual não fala nada sobre uma estrutura interna tão complicada, especialmente com nuvens e relâmpagos.
___________________________________________________________________________
Fonte: O Livro Dos Fenômenos Estranhos - Charles Berlitz