segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Coração batendo no cérebro

Alguns estranhos rituais tiveram origem na época da contracultura, nos anos 60, mas poucos foram tão bizarros quanto a prática de fazer um buraco na cabeça de uma pessoa para aumentar seu estado de consciência.

Trepanação, ou o uso de um instrumento cirúrgico para perfurar os ossos do crânio, era uma prática comum entre algumas sociedades primitivas, por motivos não inteiramente esclarecidos. A base lógica dessa operação perigosa, porém não mortal, deve ter sido, provavelmente, de natureza médico-religiosa. Os atuais defensores da trepanação, de modo geral, adotam essa opinião.

O movimento moderno começou em 1962, quando um médico holandês, Bart Huges, declarou que o grau e o estado de consciência de uma pessoa dependiam, principalmente, do volume de sangue no cérebro. As coisas eram diferentes quando andávamos de quatro, segundo Huges, antes de evoluirmos para a posição ereta que nos separa da maioria dos outros seres da natureza. O problema é que o cérebro ficou fechado dentro de uma estrutura rígida, restrita. Pior ainda, a gravidade reduziu o fluxo de oxigênio e de nutrientes para o cérebro.

A solução de Huges para o dilema era fazer uma perfuração elétrica e remover um pequeno círculo ósseo do crânio. Como resultado da operação, na opinião dele, o fluxo sangüíneo aumentaria, e o cérebro, agora libertado, poderia palpitar no mesmo ritmo do coração. Huges achava que a consciência da pessoa voltaria ao estado infantil, em que a mente desimpedida permanecia em contato com seus sonhos primitivos, sua imaginação e com intensas sensações. Os adultos acabaram perdendo essa habilidade com a lenta solidificação sofrida pelo crânio.

A trepanação como uma solução para as condições humanas não foi aprovada pelas autoridades holandesas, que prontamente condenaram Huges a um hospício para observação. Todavia, suas idéias foram mais bem aceitas pelos hippies, para os quais qualquer tipo de "consciência" nova parecia compensar os riscos.

O buraco no crânio preconizado por Huges, diretamente no cérebro, prometia um estímulo mental permanente. O grande problema, naturalmente, era encontrar alguém para realizar a operação, pois não existe por aí quantidade muito grande de antigos curandeiros com o poder de oferecer vítimas às divindades. A solução era o sonho de toda pessoa hábil: "faça você mesmo".

O mais notável dos discípulos de Huges era Joseph Mellen, contador londrino formado em Oxford. Os dois conheceram-se em Ibiza, em 1965. O holandês conseguiu convencê-lo das vantagens da trepanação. (Toda a filosofia de Huges na ocasião podia ser resumida nas seguintes palavras: "volume sangüíneo cerebral".)

A autotrepanação de Mellen, após três tentativas malsucedidas, foi tão "perfeita" que, posteriormente, ele escreveu um livro sobre sua experiência denominado Bore Hole (Buraco Perfurado), cuja primeira frase já resume todo o teor da obra: "Esta é a história de como consegui fazer um buraco em meu cérebro para ficar permanentemente alto".

Mellen relatou a nova sensação de bem-estar como resultado da trepanação, que, de acordo com ele, continua até hoje. Sua namorada, Amanda Fielding, posteriormente também foi submetida à mesma operação, só que, em vez de escrever um livro a respeito, ela resolveu filmá-la, dando a seu curta-metragem o título de "Heartbeat in the Brain" (Coração Batendo no Cérebro). Juntos, os dois modernos defensores da trepanação dirigem uma galeria de arte em Londres.
___________________________________________________________________________
Fonte: O Livro Dos Fenômenos Estranhos - Charles Berlitz