terça-feira, 2 de outubro de 2012

Carroll A. Deering

Um dos mais famosos navios fantasmas da história, o Carroll Deering continua intrigando navegadores e gerando debates. A escuna foi encontrada próximo de Cabo Hatteras na costa da Carolina do Norte em 1921.

O Carrol A. Deering, uma escuna de cinco mastros construída em 1911, partiu do Rio de Janeiro em 2 de dezembro de 1920. O capitão, William Merrit e seu primeiro marinheiro e filho Sewall Merrit tinham uma tripulação de 10 escandinavos. Ambos acabaram adoecendo e o capitão W. B. Wormell foi recrutado como substituto.

Depois de deixar o Rio, o navio parou em Barbados para abastecer. O novo primeiro marinheiro, McLennan, ficou bêbado e queixou-se com um colega do capitão Wormell sobre sua incompetência em disciplinar a tripulação e incapacidade em conduzir o navio sem o auxílio de McLennam.

McLennam foi preso após cantar “Eu vou pegar o capitão antes de chegar a Norfolk, eu vou.” Wormell o perdoou e pagou sua fiança e assim zarparam de Barbados.

O navio não foi avistado até 28 de janeiro de 1921, quando um guarda farol foi saudado por um homem ruivo. O homem disse ao guarda farol com um sotaque estrangeiro que o Deering havia perdido sua Ancora mas o navio não foi capaz de transmitir sua mensagem devido um mal funcionamento do rádio.

Três dias depois o Carrol A. Deering foi encontrado encalhado em Diamond Shoals, ao largo de Cabo Hatteras. Uma equipe de resgate chegou ao navio em 4 de fevereiro. O que eles encontraram fez com que Deering entrasse para a história dos mistérios marítimos. Ele estava completamente abandonado, as toras e equipamentos de navegação haviam sumido, bem como dois dos botes salva vidas e a comida do dia seguinte estava meio preparada na cozinha.

Infelizmente o navio foi afundado com dinamite antes de uma investigação completa sobre o mistério. O desaparecimento da tripulação ocorreu no “triângulo das Bermudas” onde vários outros návios desapareceram no mesmo período e região, a investigação formal terminou em 1922 sem qualquer decisão oficial.

Fontes: Contos do Absurdo; Sobrenatural.