quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Superstições

Muitas são as superstições que andam pelo interior do país, proporcionando vários aspectos do mais vivo interesse folclórico. Entre nós, mineiros, são conhecidíssimas algumas, entre as quais a assombração, o lobisomem, a mula-sem-cabeça.

E o que há de mais interessante é que são diversas as variações sobre estes seres imaginários, de região para região. Sobre a mula-sem-cabeça, por exemplo, dizem uns que um animal gigantesco, de cor branca, que por onde passa faz devastações. Outros, que tem cor escura e no lugar da cabeça há uma bola. Outros mais, na sua alucinação, chegam de cometer o paradoxo de afirmar que a mula-sem-cabeça põe fogo pelos olhos.

A quaresma é sobretudo a época propícia à ação maléfica de todos esses seres, produtos da imaginação fértil do povo. Por isto mesmo, nesta quadra do ano, todos se resguardam, recolhendo-se mais cedo, não trabalhando senão nas horas em que os mesmos são indiferentes. À boquinha da noite, tudo é silêncio. Ninguém ousa arriscar a sua curiosidade. Muito menos afrontar o perigo.

Tudo isto será arraigado nos usos e costumes e nas tradições do povo do interior que chega a constituir, em épocas determinadas, verdadeiros entraves ao trabalho e ao progresso.

Numa fazenda bem próxima a Juiz de Fora, de alto prestígio no passado, de casa grande e senhoril, soubemos de um caso interessantíssimo. Fechada permanentemente, a grande casa, de vez que os proprietários residiam na cidade e rarissimamente visitavam aquela propriedade, os morcegos passaram a habitá-la sem cerimônia.

Acontece que a velha fazenda foi vendida e os novos proprietários passaram a frequentá-la. No princípio, foi uma dificuldade, esconderijo que era de tantos e tão incômodos animais.

Na grande sala encontrava-se duas mesas de bilhar e, de vez em quando, a um movimento qualquer, as bolas, em deslizando pelo tablado, produziam ruídos que, à noite, comunicavam algo de estranho e fantástico. Algumas pessoas mais amedrontadas sugeriam sempre a presença de um espírito mau, de uma assombração, dizendo, então, que a casa estava mal assombrada. Toda casa de mais de um pavimento, seja dito casa velha, tem sempre uma escada de madeira, a qual emite, à noite, ruídos que assustam, o que é francamente explicável. Todavia, para com certas pessoas adiantaram qualquer explicação.

Entre os que começaram a frequentar a casa da velha fazenda, uma senhora que, em verdadeira crise de superstição — para não falarmos em neurose ou psicose do medo — não suportou a idéia de permanecer lá nem mais um minuto, tal o seu horror pela assombração.

E estava tão convencida da veracidade do que, por sua imaginação via e ouvia, que chegou ao cúmulo de afirmar que a casa estava realmente mal assombrada.

É que os morcegos, de noite, voavam em toda a extensão da sala e, de vez em quando, iam de encontro às bolas que, então, em se encontrando, produziam barulho.
_________________________________________________________________

Bastos, Wilson de Lima. “Superstições”. A Tarde. Juiz de Fora, 29 de maio de 1967