domingo, 2 de novembro de 2008

Valsinha Macabra

Romance de uma Caveira (valsa humorística, 1940) - Alvarenga, Ranchinho e Chiquinho Sales

Eram duas caveiras que se amava / e à meia-noite se encontrava pelo cemitério os dois passeava / e juras de amor então trocava.

Sentado os dois / em riba da lousa fria a caveira apaixonada / assim dizia que pelo caveiro de amor morria / e ele de amores por ela vivia.


Ao longe uma coruja cantava alegre / de ver os dois caveiro assim feliz / e quando se beijavam em tom fúnebre / a coruja batendo as asa pedia bis.



Mas um dia chegou de "pé junto" / um cadáver, um defunto /
E a caveira pr' ele se apaixonou / e o caveiro antigo abandonou.

O caveiro tomou uma bebedeira / e matou-se de modo romanesco /

por causa dessa ingrata caveira / que trocou ele por um defunto fresco.