domingo, 27 de março de 2016

Assassinato no Celeiro Vermelho


O Assassinato no Celeiro Vermelho foi uma infame morte ocorrida em Polstead, Condado de Suffolk, na Inglaterra, em 18 de maio 1827. O caso teve início quando uma jovem mulher chamada Maria Marten teve um filho ilegítimo com William Corder.

Corder era filho de um fazendeiro local, e tinha uma reputação como fraudador e mulherengo. Ele era conhecido como "Foxey" na escola por causa de sua forma dissimulada. Ele tinha vendido de forma fraudulenta porcos de seu pai, e, embora seu pai tivesse resolvido a questão sem envolver a lei, Corder não mudava seu comportamento.

Embora Corder desejasse manter seu relacionamento com Marten em segredo, ela deu luz a seu filho em 1827, com a idade de 25 anos, e estava aparentemente interessada que ela e Corder deveriam se casar. A criança morreu (relatórios posteriores sugeriram que ele pode ter sido assassinado), mas Corder, aparentemente, ainda pretendia se casar com Marten.

Naquele verão, na presença da madrasta de Maria, Ann Marten, ele sugeriu que ela deveria encontrá-lo no celeiro vermelho, numa rua afastada, de onde eles poderiam fugir para Ipswich. Corder alegou que tinha ouvido rumores de que os agentes paroquiais estavam indo para processar Maria por ter filhos bastardos.

No encontro, porém, quando Corder avistou a mulher, atirou nela e enterrou seu corpo dentro do celeiro, fugindo do local. Embora ele tenha enviada cartas para a família de Maria, alegando que ela estava bem de saúde, o cadáver foi descoberto mais tarde, após a madrasta da própria ter tido sonhos a respeito dela ter sido morta e enterrada em um lugar pintado de vermelho.

Ela convenceu o marido a ir para o celeiro vermelho e cavar em um dos silos de armazenamento de grãos. Ele rapidamente descobriu os restos de sua filha enterrados em um saco. Ela estava em decomposição, mas ainda identificável.

Corder foi localizado em Londres, onde ele havia se casado e iniciado uma nova vida. Ele foi trazido de volta para Suffolk, e, depois de um julgamento bem divulgado, considerado culpado de assassinato e sentenciado à forca e dissecação. Ele foi enforcado em Bury St. Edmunds, em 1828; uma enorme multidão testemunhou a execução de Corder.

A história provocou inúmeros artigos em jornais e músicas e peças teatrais. A aldeia onde o crime havia ocorrido tornou-se uma atração turística e o celeiro foi destruído por caçadores de souvenirs. As peças de teatro e baladas permaneceram populares ao longo do século seguinte e continuam a ser realizadas até hoje.

Após a execução, seu corpo foi dissecado e examinado por profissionais de medicina que buscavam a comprovação de que o homem tinha um gêmeo maligno em seu interior (uma crença comum na época). O esqueleto dele se tornou ferramenta no Hospital de West Suffolk. Sua pele foi curada pelo cirurgião George Creed e usada para encapar os textos que formaram o Processo Legal do infame assassinato. No verso da capa, o médico escreveu:

"A capa desse livro foi feita com a pele do assassino William Corder retirado de seu corpo e curada por mim mesmo no ano de 1828. George Creed cirurgião do Hospital Suffolk."

Até 2004, o esqueleto de Corder estava em exposição no Museu Hunterian no Royal College of Surgeons da Inglaterra, onde ficava pendurado ao lado daquele de Jonathan Wild. Em resposta aos pedidos de familiares sobreviventes, os ossos de Corder foram retirados do local e cremados.


Fonte: Murderpedia.
Postar um comentário