terça-feira, 22 de dezembro de 2015

O Julgamento das Bruxas de Zugarramurdi


Na fronteira com a França, rodeada por um vasto pasto verde onde as vacas pastam calmamente, fica a aldeia de Zugarramurdi. Localizada na região de Navarra de Xareta esta pequena vila tem atualmente apenas 250 habitantes e, apesar de ser conhecida por seus magníficos pinheiros e castanheiras, bem como para a exploração de uma caverna impressionante esculpida pela água, Zugarramurdi deve a sua fama aos eventos tristes e escuros, em sua maioria concluídos pelos seus residentes, no século XVII.

Alguns desses eventos levaram o Tribunal da Inquisição a sentenciar punições para cinquenta pessoas por prática de bruxaria.

Em 1608 os senhores da Urtubi-Alzate e Sant Per pediram ajuda urgente ao rei Henrique IV da França devido a problemas com bruxas no país Labourd. Em seguida, uma mulher de Zugarramurdi disse que sonhou que alguns aldeões participaram de uma reunião na caverna local. Seu sonho fez com que o abade de Urdax fosse procurar auxílio junto ao Tribunal da Santa Inquisição em Logroño, de onde partiu o inquisidor Juan Alvarado Valle para realizar investigações na área.

O inquisidor, depois de ouvir vários comentários e reclamações, indiciou, inicialmente, mais de três centenas de pessoas. Os mais suspeitos, cerca de quarenta dos acusados, foram transferidos para a prisão de Logroño e mais tarde foram julgados no "Processo de Logroño" (um processo que alcançou fama internacional, cruzando as fronteiras espanholas e francesas). Em junho de 1610 o tribunal declarou 29 dos acusados culpados.

Bruxa vestindo um sambenito e chapéu
pontudo, ouvindo o veredicto do inquisidor
- Caprice No. 23 por Francisco de Goya.
No "Auto de Fé", realizada em Logroño, em 7 e 8 de novembro de 1610, dezoito pessoas foram perdoadas porque elas confessaram os seus pecados e um apelo à misericórdia do tribunal, seis outros resistiram e foram queimados vivos. Cinco estatuetas foram queimadas representando mais cinco pessoas, uma vez que já tinham morrido na prisão. Cerca de 30.000 pessoas participaram do Auto de Fé no domingo de 7 de novembro de 1610, muitos dos quais eram da França.

O cortejo começava com uma procissão composta de milhares de pessoas, incluindo: famílias dos acusados, comissários, notários da Inquisição e membros de várias ordens religiosas. Mais para trás na fila havia vinte penitentes carregando uma vela na mão, seis dos quais usavam uma corda em volta do pescoço, o que indicava que eles deviam ser açoitados. Após estes, o “perdoado” andava com um sambenito (uma peça de vestuário semelhante a um escapulário) e um grande chapéu pontudo.

Em seguida, cinco pessoas apareciam carregando as estátuas dos cinco presos que haviam morrido na prisão, acompanhados dos caixões correspondentes contendo seus restos mortais. Seguiam mais quatro mulheres e dois homens, também vestindo sambenito, mas de cor negra, que significava que eles seriam queimados vivos por sua heresia.

E completando a procissão vinham quatro secretários da Inquisição e três inquisidores da corte de Logroño montados em cavalos e um burro carregando o caixão que continha os veredictos.


Fonte: The Zugarramurdi Witch Trials: Welcome to the Spanish Salem