sexta-feira, 8 de abril de 2011

As esferas da Costa Rica

Esfera de pedra sob árvores de cacau
As esferas de pedra da Costa Rica foram objeto de especulações pseudocientíficas desde a publicação de "Eram os Deuses Astronautas" por Erich von Däniken em 1971. 
Mais recentemente, elas ganharam atenção renovada como resultado de livros como "Atlantis in America: Navigators of the Ancient World" por Ivar Zapp e George Erikson (Adventures Unlimited Press, 1998), e "The Atlantis Blueprint: Unlocking the Ancient Mysteries of a Long-Lost Civilization", por Colin Wilson e Rand Flem-Ath (Delacorte Press, 2001).

Estes autores apareceram na TV, rádio, revistas, e websites, onde prestam um incrível desserviço ao público ao apresentar enganosamente a si mesmos e o conhecimento atual sobre estes objetos.

Embora alguns destes autores sejam apresentados freqüentemente como tendo “descoberto” estes objetos, o fato é que eles são conhecidos a cientistas desde que vieram primeiro à luz durante atividades agrícolas pela United Fruit Company em 1940 primeiro.

Investigação arqueológica das bolas de pedra começou logo depois disso, com a primeira publicação acadêmica sobre elas aparecendo em 1943. Elas dificilmente são uma descoberta nova, tampouco especialmente misteriosas. Na realidade, escavações arqueológicas empreendidas em locais com bolas de pedra nos anos cinqüenta encontraram-nas associadas com cerâmica e outros materiais típicos das culturas Pré-colombianas do sul da Costa Rica sulista.

Qualquer “mistério” que exista tem mais a ver com a perda de informação devido à destruição das bolas e seus contextos arqueológicos que com continentes perdidos, astronautas antigos ou viagens transoceânicas.

Foram documentadas centenas de bolas de pedra na Costa Rica, variando em tamanho de alguns centímetros para mais de dois metros em diâmetro. Quase todas elas são feitas de granodiorito, uma pedra dura e ígnea. Estes objetos não são naturais em origem como as esferas de pedra em Jalisco, México, que foram descritas em um artigo de 1965 na National Geographic. Ao invés disso, são esculturas monolíticas feitas por mãos humanas.

As bolas estão em perigo desde o momento de sua descoberta. Muitas foram destruídas, foram dinamitadas por caçadores de tesouro ou rachados e quebradas por atividades agrícolas. Na época de um grande estudo empreendido nos anos cinqüenta, foram registradas cinqüenta bolas como estando "in situ." Hoje, conhecem-se apenas algumas como estando em seus locais originais.

Onde as esferas são encontradas?

Elas foram descobertas originalmente no delta do Rio Térraba, também conhecido como o Sierpe, Diquís e Rio General, próximas das cidades de Palmar Sur e Palmar Norte. Bolas são conhecidas de locais tão ao norte como o Vale Estrella e tão ao sul como a boca do rio Coto Colorado. Elas foram achadas perto de Golfito e na Isla del Caño.

Desde o tempo de sua descoberta nos anos quarenta, estes objetos foram desejados como ornamentos de jardim. Eles foram transportados, principalmente através de trem, por toda a Costa Rica. Elas são encontradas agora ao longo do país. Há duas esferas à mostra ao público nos EUA. Uma está no museu da National Geographic Society em Washington, D.C. A outra está em um pátio perto do Museu Peabody de Arqueologia e Etnografia, na Universidade de Harvard em Cambridge, Massachusetts.

Quão grandes elas são?

As bolas variam em tamanho de apenas alguns centímetros a mais de dois metros em diâmetro. Calculou-se que as maiores pesam mais de 16 toneladas (ca. 15,000 kg).

Do que são feitas?

Quase todas as bolas são feitas de granodiorito, uma pedra dura e ígnea que aflora nas montanhas próximas de Talamanca. Há alguns poucos exemplos feitos de coquina, um material duro semelhante a pedra calcária que é formada de concha e areia em depósitos de praia. Elas foram provavelmente trazidas para o interior da boca do delta de Térraba-Sierpe. (A imagem de fundo para estas páginas é uma fotografia da superfície de uma bola de pedra em Palmar Sur, Costa Rica.)

Quantas delas existem?

Samuel Lothrop registrou um total de aproximadamente 186 bolas para sua publicação de 1963. Porém, estima-se que possa haver várias centenas destes objetos, agora dispersos ao longo da Costa Rica. Relatou-se que um local perto de Jalaca tinha tanto quanto 45 bolas, mas estas foram agora removidas para outros locais.

Como elas foram feitas?

As bolas foram muito provavelmente feitas reduzindo pedregulhos redondos a uma forma esférica através de uma combinação de fratura controlada, entalhamento e lixamento. O granodiorito do qual elas são feitas esfolia em camadas quando sujeito a mudanças rápidas de temperatura. As bolas poderiam ter sido desbastadas pela aplicação de calor (carvão quente) e frio (água fria). Quando estava próximas da forma esférica, eram mais reduzidas entalhando e martelando com pedras feitas do mesmo material duro. Finalmente, elas foram lixadas e polidas até um grande lustre. Este processo, que era semelhante ao usado para fazer machados de pedra polidos e estátuas de pedra, era realizado sem a ajuda de ferramentas de metal, raios laser ou formas de vida alienígenas.

Quem as fez?

As bolas foram provavelmente feitas pelos antepassados dos povos nativos que viviam na região na época da conquista espanhola. Estas pessoas falavam idiomas Chibchan, relacionado a aqueles de povos indígenas de Honduras oriental ao norte da Colômbia. Seus descendentes modernos incluem os Boruca, Téribe e Guaymí. Estas culturas viveram em colônias dispersas, poucas das quais eram maiores que aproximadamente 2000 pessoas. Eles viviam de caça e pesca, assim como agricultura. Eles cultivaram milho, mandioca, feijões, abóbora, palma de pejibaye, mamão, abacaxi, abacate, pimenta, cacau e muitas outras frutas, leguminosas e plantas medicinais. Eles moraram em casas que eram tipicamente redondas em forma, com fundações feitas de remendagens de rio arredondadas.

Qual a idade delas?

Bolas de pedra são conhecidas de locais arqueológicos e estratos enterrados que têm apenas cerâmica característica da cultura Aguas Buenas, cuja data vai de aproximadamente 200 AC a 800 DC. Foram achadas bolas de pedra segundo relatos em enterros com ornamentos de ouro cujo estilo datas pouco depois de 1000DC. Elas também foram encontradas em estratos contendo fragmentos de Policromo Buenos Aires, um tipo de cerâmica do Período Chiriquí que foi feito ao redor do começo de 800DC. Este tipo de cerâmica foi segundo relatos encontrado em associação com ferramentas de ferro do período Colonial, sugerindo que foram fabricadas até o século 16. Assim, as bolas podem ter sido feitas em qualquer tempo durante um período de 1800 anos. As primeiras bolas que foram feitas duraram provavelmente por várias gerações, quando podem ter sido movidas e modificadas.

Para o que foram usadas?

Ninguém sabe ao certo. As bolas deixaram de ser feitas na época dos primeiros exploradores espanhóis, e permaneceram completamente esquecidas até que foram redescobertas nos anos quarenta. Muitas das bolas foram encontradas dispostas em alinhamentos, consistindo em retas e linhas curvas, assim como em triângulos e paralelogramos. Um grupo de quatro bolas foi encontrado organizado em uma linha orientada ao norte magnético. Isto conduziu a especulação de que elas podem ter sido dispostas por pessoas familiares com o uso de bússolas magnéticas, ou alinhamentos astronômicos.

Infelizmente, praticamente todos os alinhamentos, com exceção de poucos, foram destruídos quando as bolas foram movidas de seus locais originais, assim medidas feitas quase cinqüenta anos atrás não podem ser conferidas em sua precisão. Muitas das bolas, algumas delas em alinhamentos, foram encontradas em cima de baixos montículos. Isto conduziu a especulação de que podem ter sido mantidas dentro de casas construídas em cima dos montículos, o que teria tornado difícil usá-las para fazer observações.

As sugestões de Ivar Zapp de que os alinhamentos eram dispositivos de navegação apontando para a Ilha de Páscoa e Stonehenge são quase certamente erradas. As medidas originais de Lothrop de alinhamentos de bolas com apenas alguns metros de separação não eram precisas ou acuradas o bastante para o controle de erros na conferências de distâncias tão longas. Com a exceção de bolas localizadas na Isla del Caño, a maioria das bolas está também muito longe do mar para ter sido útil a navegantes do oceano.

Por que as bolas estão ameaçadas?

Virtualmente todas as bolas conhecidas foram movidas de seus locais originais, destruindo informação sobre seus contextos arqueológicos e possíveis alinhamentos. Muitas das bolas foram explodidas por caçadores de tesouro locais que acreditaram em fábulas absurdas de que as bolas contêm ouro.

Bolas situadas em campos agrícolas foram danificadas por queimadas periódicas que faz a superfície antes lisa das bolas rachar, dividir-se e erodir — um processo que contribuiu para a destruição da maior bola de pedra conhecida.

Bolas foram parar em vales e desfiladeiros, ou até mesmo em locais marinhos subaquáticos (como em Isla del Caño). A vasta maioria foi transportada para longe de sua zona de origem, separando-as ainda mais da consciência dos descendentes das pessoas que fizeram estas esferas.

Erros e Desinformação

Vários autores contribuíram agora para a desinformação difundida sobre as bolas de pedra da Costa Rica, conduzindo a especulação infundada sobre sua natureza e origem.

O Tamanho das Bolas

Em um artigo em Atlantis Rising Online, George Erikson faz alegações exageradas sobre o tamanho das bolas de pedra, escrevendo que elas “pesam até 30 toneladas e medem até três metros em diâmetro”. De acordo com Samuel Lothrop, autor do mais extenso estudo das esferas, “Uma bola de 6 pés [~1,8m] tem peso estimado de 7,5 toneladas, uma bola de 4 pés [~1,2m] de 3 toneladas e um espécime de 3 pés [~0,9m] de 1,3 toneladas” (1963:22). Lothrop calculou que o peso máximo de uma bola era ao redor de 16 toneladas. A maior bola conhecida mede 2,15 m em diâmetro, o que é substancialmente menor que três metros.

A Precisão Esférica das Bolas

Erikson também declara que estes objetos “eram esferas perfeitas com precisão de 2 milímetros em qualquer medida tanto de seu diâmetro como de sua circunferência.” Esta alegação é falsa. Ninguém jamais mediu uma bola com um grau suficiente de precisão para poder alegar isto. Nem Ivar Zapp nem George Erikson propuseram uma metodologia pela qual tais medidas poderiam ser feitas. Lothrop (1963:17) escreveu: “Para medir a rotundidade nós usamos dois métodos, nenhum completamente satisfatório. Quando as bolas grandes estavam enterradas profundamente no chão, poderia levar vários dias para escavar ao redor delas. Conseqüentemente, nós expusemos apenas a metade superior e então medimos mais dois ou três diâmetros com fita e trena absoluto. Isto revelou que os espécimes mais pobres, normalmente com diâmetros variando entre 2 e 3 pés (0.6-0.9 metros), variavam em diâmetros até uma ou 2 polegadas (2.5-5.1 centímetros). ” Deveria estar claro que este método assumiu que a porção debaixo do chão era esférica. Lothrop também mediu bolas que estavam mais completamente expostas tomando até cinco circunferências com uma medida de fita, da qual ele calculou os diâmetros delas então. Ele escreve, “Evidentemente, as bolas maiores foram o produto de habilidade melhor, e elas eram tão próximas de perfeitas que as medidas de fita e trena dos diâmetros não revelaram imperfeições. Então, nós medimos circunferências horizontalmente e, se possível, a uma inclinação superior de 45 graus para os quatro pontos cardeais. Nós normalmente não averiguamos a circunferência vertical já que as bolas grandes eram muito pesadas para serem movidas. Este procedimento não era tão fácil quanto soa porque várias pessoas tiveram que segurar a fita e todas as medidas tiveram que ser conferidas. Como a variação em diâmetros era muito pequena para ser descoberto até mesmo através da vista com um trenó absoluto, os diâmetros foram computados matematicamente.” A fonte de alegações para medidas precisas pode originar de más interpretações das tabelas de Lothrop, nas quais ele apresenta os diâmetros calculados em metros a até quatro casas decimais. Porém, estes são estimativas matematicamente calculadas, não medidas diretas. Elas não foram arredondadas para refletir a precisão real com que as medidas reais foram tomadas. Deveria ser óbvio que diferenças “muito pequenas para ser descobertas através da vista” não podem ser tomadas como alegações sobre precisão “dentro de 2 milímetros.” De fato, as superfícies das bolas não são perfeitamente lisas, criando irregularidades que claramente excedem 2 milímetros em altura. Como notado acima, sabe-se que algumas bolas variam mais de 5 cm (50 mm) em diâmetro. Na fotografia da maior bola neste website, está claro que a superfície foi extremamente danificada. É então impossível saber quão precisamente formada esta bola poderia ter sido.

Os Fabricantes das Bolas

George Erikson declara que os “arqueólogos atribuíram as esferas aos índios Chorotega”. Nenhum arqueólogo familiar com a evidência fez alguma vez esta alegação. Os Chorotega eram um grupo falando Oto-Mangueano que ocupou uma área de Guanacaste, perto do Golfo de Nicoya no noroeste da Costa Rica. Os povos que viveram na área onde as bolas são achadas eram falantes de Chibchan. As bolas foram achadas em associação com restos arquitetônicos, como paredes de pedra e pavimentos feitos de remendagens de rio, e recipientes de cerâmica inteiros e quebrados que são consistentes com achados em outros locais associados com as culturas Aguas Buenas e Chiriquí. Acredita-se que estes representam povos nativos ancestrais ao grupo histórico falante de Chibchan do sul da Costa Rica.

A Datação das Bolas

George Erikson e outros insinuaram que as bolas podem ter até 12.000 anos de idade. Não há nenhuma evidência para apoiar esta alegação. Considerando que as bolas não podem ser datadas diretamente através de métodos como datação por radiocarbono, que só pode ser aplicada diretamente a materiais orgânicos, o melhor modo para datá-las é através de contexto estratigráfico e artefatos associados. Lothrop escavou uma bola de pedra que estava situada em uma camada de terra separada de acima de um depósito de fragmentos contendo cerâmica típica da cultura Aguas Buenas (200 AC – 600 DC). No solo imediatamente abaixo desta bola ele encontrou a cabeça quebrada de uma estatueta humana pintada do tipo Buenos Aires Policromo, datado de 1000-1500 DC (exemplos têm, segundo relatos, sido encontrados associado com ferramentas férreas). Isto sugere que a bola foi feita algum dia entre 600 DC e 1500 DC.

As Bolas estão “Fora de Contexto”

Desde sua descoberta em 1940, a vasta maioria destas bolas foi removida de seus contextos arqueológicos para servir como ornamentos de jardim pela Costa Rica. Muitas das bolas estudadas por Lothrop pareciam ter sido roladas de montículos próximos. Várias tinham estado cobertas por camadas de lodo fino, aparentemente de depósitos de inundação e erosão natural. Naturalmente, elas estão “fora de contexto” no sentido de ter poucas associações arqueológicas boas.

Bolas no jardim do Museu Nacional, São José, Costa Rica

Estudiosos as Ignoraram

Não é incomum que autores que escrevem sobre as bolas de pedra afirmem que estes objetos receberam atenção inadequada de estudiosos sérios. Embora isto seja indubitavelmente verdade, não é verdade que estes objetos foram ignorados. Também não é verdade que estudos relativo a elas foram de alguma maneira escondidos do público geral.

O primeiro estudo acadêmico das bolas foi empreendido por Doris Stone imediatamente após sua descoberta por trabalhadores para a United Fruit Company. Os resultados de sua investigação foram publicados em 1943 em American Antiquity, o principal periódico acadêmico de arqueologia nos Estados Unidos.

Samuel Lothrop, arqueólogo da equipe do Museu Peabody de Arqueologia e Etnografia na Universidade de Harvard, empreendeu extenso trabalho de campo relativo às bolas em 1948. O relatório final de seu estudo foi publicado em 1963. Contém mapas de locais onde as bolas foram achadas, descrições detalhadas de cerâmica e objetos de metal achados com e perto delas e muitas fotografias, medidas e desenhos das bolas, seus alinhamentos e contextos estratigráficos.

Pesquisa adicional sobre as bolas pelo arqueólogo Matthew Stirling foi relatada nas páginas da National Geographic em 1969. No fim dos anos 70, pesquisa arqueológica em Isla del Caño (publicada em 1986) revelou bolas em contextos perto da praia. Foram investigados locais com bolas e relatados nos anos oitenta por Robert Drolet no curso de pesquisas e escavações no Vale de Térraba.

No fim dos anos 80 e começo dos 90, Claude Baudez e seus estudantes na Universidade de Paris voltaram aos locais do trabalho de campo anterior de Lothrop no delta de Diquís para empreender uma análise mais cuidadosa da cerâmica da área, produzindo datas mais refinadas para os contextos das bolas. Esta pesquisa foi publicada em espanhol em 1993, com um resumo em inglês aparecendo em 1996.

Também no começo dos anos 90, o autor [John W. Hoopes] empreendeu trabalho de campo ao redor de Golfito, documentando a existência dos exemplos mais ao leste destas bolas. No momento, Enrico Dal Lago, um estudante na Universidade de Kansas, defendeu sua tese de mestrado no assunto das bolas.

O estudo mais cuidadoso das bolas, porém, foi o trabalho de campo empreendido de 1990-1995 pela arqueóloga Ifigenia Quintanilla sob o patrocínio do Museu Nacional da Costa Rica. Ela pôde escavar várias bolas in situ, documentando o processo de sua construção e suas associações culturais. A pesquisa de Quintanilla foi o estudo de campo mais completo destes objetos desde Lothrop. Enquanto ainda principalmente inédito, a informação que ela coletou é atualmente tema da sua pesquisa de graduação na Universidade de Barcelona. Até mesmo com a pesquisa atual pendente, a lista de referências neste website torna claro que as bolas de pedra receberam muita atenção séria, acadêmica.


Fonte: Mistérios da Antiguidade - Realidade Oculta.